Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

04.12.09

Cabo Ledo

aquimetem, Falar disto e daquilo

 

           Paga a portagem e atravessada a ponte, entramos na província do Bengo, e neste caso também no Parque Nacional do Kissama que situado além do rio Kwanza, e a 72 km a Sul de Luanda se distende por mais de 100 km de costa.

           Paisagem a fazer lembra a nossa lezíria, esta zona do Kissama oferece óptimas condições de pasto à fauna selvagem

            Ao longo do percurso a paisagem mostra-se variada

 

          O curioso da diversidade de espécies que o parque conserva

 

           O embondeiro que também no parque é rei.

           E passados uma hora de viagem sem ver casas nem palhotas na estrada, chegamos à zona do Ledo, muito militarizada e com uma ou duas casas de comercio. Não paramos pois levávamos farnel, e vontade para o comer também, dai o andar mais um pouco à frente e destemidamente desviar  por uma picada que ao fim de uns 2 ou 3 km nos conduziu a mais um daqueles maravilhosos santuários de beleza natural que Angola tem.

           Um cato, foi a primeira surpresa antes de descer à praia!

          Perto, a palhota de um morador da praia.

  

          Aqui já na zona do areal  uma das vias por onde os habitantes da praia, os visitantes e os banhistas circulam com as viaturas se querem  ficar com elas mais próximo da orla.      

          Neste preciso local ficamos entulhados e só por sorte conseguimos dali sair. Bem! Juntava-se  o almoço com o jantar.   

           Habitação do pescador e morador em Cabo Ledo

          Não sei se por ser feriado, ou por outro motivo, não vi pescadores ali, e no velho barco  apenas um nativo a exibir as suas fantasias, em quanto nós comíamos o farnel que com ele e outro companheiro repartimos.  

          Da praia o vídeo dá uma breve panorâmica, mas não a imagem autêntica da bucólica e encantadora aldeia balnear e piscatória de Cabo Ledo que na tarde de 10 de Abril de 2009 visitei, e adorei fazê-lo! 

          Fartura de praia e  de barco para a pesca

           Caminhar de gatas é o destino de muitos.... 

           O cão é o nosso maior amigo, e cada um com o seu....

            Um encanto de praia que se devidamente zelada e o local dotado com os requisitos que um espaço de repouso e lazer exige maior será o encanto e mais atracção dará a Cabo Ledo.   

04.12.09

Foz do Kwanza

aquimetem, Falar disto e daquilo

 

          Seguindo em frente, pela mesma estrada, a cerca de uns 16km da portagem do Kwanza, deparamos á nossa direira com um desvio, que já teve trancão, cujo piso que também já foi excelente nos  conduz à sedutora Foz do Kwanza, paradisíaco parque de lazer, na margem direita da foz do maior rio genuinamente angolano.   

          Espaço envolvido por uma variada e exótica flora das zonas tropicais, a comuna de São João Baptista da Barra do Kwanza que já foi um dos mais concorridos e admirados espaços de  atracção turística mete dó passar hoje por lá e ver o desleixo em que se encontra.

          Este vídeo foi feito junto à moita de junco que se vê na foto inferir. E de costas para o que foi uma esplêndido restaurante, hoje em ruínas como numa segunda foto é mostrado.

           Lá ao fundo a caminho da barra, existe um restaurante para quem de jipe através de picada lá chegar.

  

        Para conhecer a Foz do Kwanza só havia que chegar aqui, aqui no interior da comuna de São João Baptista da Barra do Kwanza, onde grandes estruturas  hoteleiras foram montadas e sonhos de progresso e desenvolvimento jogados, com os resultados à vista... 

          O selo de garantia da minha passagem pela Foz do Kwanza. De regresso voltamos  em busca doutro destino, com um adeus à Barra, e uma paragem a meio do trajecto para visitar a casa de oração católica

            Exterior da igreja paroquial de São João da Baptista, da Barra do Kwanza. Sem comentários.

          Comentários para quê? Interior da igreja de São João Baptista, da Barra do Kwanza.

           Com paragem e lento andamento por causa do piso ao cabo de uns 18 minutos estávamos chegados à estrada que deixamos antes da portagem da  Ponte do Kwanza,  a  única portagem que neste momento se paga em Angola. Dista 72km da cidade de Luanda. Também com as estradas que por enquanto Angola tem, obrigar a pagar portagens era  como que sacar os "kwanzas" sem bazuca...

           Ponte que ali liga a província de Luanda com a província do Bengo. Eram 14h20, e a barriguinha a contar horas. Mas com maravilhas destas, nem a fome se faz sentir.  

          Da ponte, o rio visto para montante, já não muito longe da barra e para jusante fica a descrita Foz do Kwanza 

28.11.09

capital angolana

aquimetem, Falar disto e daquilo

 

 

          Depois de uma hora de voo, eis-me de novo no aeroporto de Luanda, onde quem ali chegar pela primeira vez e não tenha alguém de confiança  que o oriente ou transporte ao seu destino sujeita-se a ser ludibriado por algum dos muitos "profissionais" da caça à vítima desprevenida...Os inúmeros  e aborrecidos "ajudantes" que ao sair da gare rodeiam  o passageiro oferecendo-se  para transportar as malas, a falta de transportes urbanos com indicação dos pontos de partida e chegada ao centro da cidade ou arrabaldes são lacunas que se vêem a olho nú e dão da capital angolana uma imagem que não merece:desordem.     

          A mim valeu-me além da filha, ter lá amigos que se disponibilizaram não só a ir buscar-me  ao aeroporto como colocar um carro ao meu dispor para nessa tarde viajar pela cidade. Depois de almoço que mais uma vez foi num restaurante da Ilha do Cabo, seguiu-se uma visita pela baixa e bairros principais da cidade, como Miramar, Alvalade, Bairro Azul e outros.  

          Luanda - cidade

           Luanda - cidade

          Luanda -  cidade

          Luanda - Vendedeiras de fruta

           Ilha do Cabo ou Ilha de Luanda

 

 

          Na ilha do Cabo ou ilha de Luanda existe a igreja mais antiga de Angola, mandada construir em 1575 pelos portugueses que aquando do desembarque do  Capitão-mor Paulo Dias de Novais na ilha,  com homens de armas, padres, mercadores e servidores, ali se fixaram e consagrados a Nossa Senhora, deram ao templo a designação de  igreja de Nª.Sª. do Cabo. O Papa João Paulo II, numa sua visita a Angola entrou e rezou neste templo. Também  na minha primeira visita à ilha, no passado dia 14 de Março, foi na sua frontaria que vi o primeiro cartaz com a foto de Bento XVI, anunciando a sua visita pastoral a Luanda de 20 a 23 do preciso mês. Se houvesse bons e rápidos transportes e mais alojamentos disponíveis  em Luanda  por certo que muitos angolanos e turistas que nas minhas condições não puderam assistir ao histórico evento, o teriam feito nessa ocasião para agradecer e saudar Sua Santidade pela  sua  visita à capital angolana.

24.11.09

só agora visitei

aquimetem, Falar disto e daquilo

          O adeus ao Bongo começou aqui ao sair da missão e tomar esta via asfaltada que passando pelo largo da igreja católica, escola, esquadra da polícia, pousadapracinha, me levou até ao  desvio, onde entronca com a estrada de Longonjo.

          A ponte que só graças ao empenho da Acção Agrária Alemã se pode ver e atravessar é uma mais valia no contexto do apoio por parte das instituições internacionais ao povo angolano. Já dela tinha falado e do córrego que dos lados de Sopasse por ali passa.

          Ao fim de percorridos os 7km. que separam o Bongo do "desvio" surge a estrada que liga Huambo a Benguela. No desvio, além da placa de orientação que indica a distância dali ao Bongo (7km) e Sandombo (19km), junto consta também um cartaz informativo à volta do Projecto da AAA.

          O Lépi é uma das mais importantes comunas do município de Longonjo, além de estrada, tem apeadeiro de CFB, quando voltar a funcionar. Zona muito fértil em produtos hortícolas.

          A seguir a Lépi fica a comuna de Calenga, onde se realiza a maior feira ou mercado de produtos agrícolas que vi durante a minha estadia nestas angolanas terras.  Vizinha de Lépi, mas como noutro post já disse, pertence ao município de Cáala.

          A seguir a Calenga temos a cidade de Cáala, que do morro de NªSªdoMonte fotografamos. Quando aquela imensidão de terra arável voltar a produzir  como no tempo de um Cavaco & Filhos, Lda, ou de um  A. Pessoa & Irmão, por certo que a antiga Robert Williams de novo votará a ser o  celeiro de Angola. Faço sinceros votos para que isso não tarde, para bem de todos os angolanos.

          E de malas haviadas e com cerca de uma hora de viagem, cá estou de novo  no Huambo, para amanhã, dia 9, no aeroporto Albano Machado tomar um avião da TAAG que me leve até Luanda e ali, ao outro dia, me despedir da terra que um meu comprovinciano (Diogo Cão) descobriu e eu só agora visitei. 

12.05.09

Foi dito e feito

aquimetem, Falar disto e daquilo

 

         Após a visita fugaz aos principais pontos cimeiros que nos dão pela cúpula uma imagem global de Luanda, agora havia que descer à base e sentir na pele a confusão que campeia pelas ruas de toda esta desordenada cidade. Depois,  quem  passa a noite a voar do aeroporto internacional da  Portela, para o seu similar 4 de Fevereiro, certamente que farto de olhar  para baixo está ele. Também o estômago começava a dar sinais de vida, e por isso há que procurar aonde almoçar. Para quem como eu visita a cidade pela primeira vez, o local a seleccionar tem que ser a Ilha de  Luanda ou Ilha do Cabo, visto que foi ali que Luanda teve  origem, e lá está a igreja do Cabo a testemunhar o facto. Para o efeito foi só tomar a direcção da marginal e penetrar na ILHA, que rigorosamente já se não pode considerar  como tal, pois está ligada por terra a Luanda, e por isso é antes uma península.

           Escolhida a zona preferida, ficou a cidade para trás, que vista do lado oposto se torna muito mais imponente. Na Ilha e antes de escolher onde abancar para o almoço, há que primeiro visitar o mais antigo templo de Angola, a igreja de Nª.Sª. do Cabo (1575), e percorrer a Ilha em toda a sua extensão (uns 7 ou 8 km) para depois no Clube Naval trocar o bom marisco por uma  feijoada à moda do Porto. 

          Aqui deixo algumas imagens de um espaço  que quando devidamente aproveitado em termos de turismo e lazer será mais um dos  muitos locais privilegiados que Luanda tem para ofertar aos visitantes. Ora vejam:

 

        O topo da Ilha, ao lado a cidade, e  barra com os barcos de

grande porte à espera de oportunidade para carga ou descarga.

           Ainda no topo da Ilha, onde para além do farol também

 o asfalto recordam presença portuguesa ... 

           Farol da Ilha

           Como este, muitos outros contrastes da Ilha:

          Num destes bares, vizinhos do Farol tomei um aperitivo,

antes de almoçar

            Barracas como esta são o espelho baço da Ilha e

da cidade

           Este que foi um bom, e o primeiro, hotel da Ilha, está

assim! É um pouco a imagem  actual não só de Angola, como 

também a de Portugal. 

 

           Clube Naval da  Ilha de Luanda

 

           Os barquinhos...na baia. 

           Foto tirada do restaurante do Clube Naval, onde se

vê o Forte de São Miguel, que os "Filipes" de Espanha  

mandaram fazer, e no qual se encontra instalado o Museu

das Força Armadas. Fica no morro antes da entrada na Ilha

           A vida em Luanda, como em toda a terra angolana é

cara, eu diria mesmo, muito cara. Não se admirem por isso

que no fim do almoço e da visita à Ilha, tenha passado por um

supermercado da baixa para comprar produtos para um

jantar caseiro....Foi dito e feito.

10.05.09

Luanda da Cabeça aos pés...

aquimetem, Falar disto e daquilo

 

          Como a seu tempo dei noticia, fui visitar Angola, aquele grande país que quando deixar de ser de uns tantos,  para passar a ser todos os angolanos, se  tornará sem dúvida na sala de visitas de toda a África Ocidental. Tem todas as condições para isso, e potencialidades económicas também lhe não faltam ! Haja  vontade e bom censo político.

 

Mapa de Angola

           Situada na Costa Ocidental do Continente Africano, ao sul do Equador, Angola estendendo-se, desde os paralelos 4º 21´ 26´´ e 18º  02´ de latitude sul e meredianos 11º 41´e 24º 05´ (gravidade). Fica compreendida entre a embocadura do Rio Zaire  e a do Cunene, tendo ainda a  norte do primeiro destes rios os territórios do Distrito de Cabinda que defrontam ao N. do Chiloango com  a Republica do Congo Francês e ao S. e L. com a Republica  do Congo. A superficie da Provincia é de 1 246 700 quilómetros quadrados.

          Ocupada por  Portugal durante 493 anos, desde 1482 até 11 de Novembro de 1975, Angola,  quer se queira quer não, continua a fazer parte do sentir dos portugueses, mesmo daqueles que  sem nunca lá terem vivido, sentem como sua, a terra e gente angolana. Comigo sempre aconteceu isso, mesmo antes desta visita ocasional. Talvez por Diogo Cão ser, como eu, transmontano ! Também por ser transmontano, calar as verdades que se não devem  ocultar, está fora dos meus principios. Daí que sem querer ser maldizente terei de comentar o que a minha objectiva recolheu da  varanda dum  prédio de  16º andar, e sem elevador....

 

          Não é pera doce para quem diariamente, e por mais que uma vez ao dia, tem que subir tanta escada e carregando com as "compras" ao lombo, à cabeça ou à mão. Do mesmo modo o espectáculo da pouca ou nenhuma hegiene urbanistica da cidade também deixa muito a desejar. Aqui, o espaço à volta do ex-Liceu Salvador Correia de Sá é disso exemplo. Ora reparem comigo lá do alto, e vejam Luanda da cabeça aos pés:

 Ex-Liceu Salvador C. de Sá.

 

Área envolvente ao ex-liceu S. Correia de  Sá

 Um aspecto da cidade, onde como pano de fundo

entre as duas torres, morre o Palácio da Presidência e a Sé

de Luanda

 

          O meu  distino não era Luanda, dai que só por amabilidade de quem me acolheu fiquei a conhecer um pouco da cidade e um dos lugares que em primeiro visitei, foi o Bairro e a esplanada Miramar, que está para  Luanda, como o Restelo ou a Lapa estão para Lisboa. Dali admirei além da esplada, com restaurante e um écran gigante, o seu miradouro sobre  o porto e a Ilha do Cabo, lá ao fundo. 

 

Plateia

 écran gigante

 

 Miradouro, ao fundo  a Ilha do Cabo

Miradouro, com a Ilha do Cabo lá ao fundo, e a triste imagem

duma Luanda enferrujada.... 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D