Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

16.11.19

Recordações de memória

aquimetem, Falar disto e daquilo

No passado, dia 3 de Novembro, houve festa rija em Vilarinho, para festejar os 40 anos da oficialização do Ranho Folclórico local, com a presença de outros similares seus. Não estive presente, mas o director do Rancho, Armindo Morais, encarregou-se de ler, por mim, um arrazoado que enviei e que engendrei assim:

“Ex mos. Convidados,
Estimados conterrâneos,
Minhas e senhoras e meus senhores.Já se passaram quarenta anos que oficialmente nasceu este “bebé”, denominado por Rancho de Vilarinho. O qual deu origem à associação designada por Grupo Folclórico e Recreativo de Vilarinho (GFRV). Teve por padrinhos nomes sonantes da freguesia, que ao tempo viviam em Lisboa, onde se ali fizera o baptizado.

Vamos explicar como tudo se passou. Entre o Costa Pereira e o saudoso José Queiroz, que Deus tem, ouve sempre bom entendimento até que um dia o “Pereira” entendeu meter também o saudoso Padre Correia Guedes ao barulho, e vai de o convidar a participar num daqueles convívios anuais, que os naturais da freguesia anualmente promoviam. Nessa ocasião o Costa Pereira estava no auge da sua actividade jornalística e era preciso aproveitar-lhe a veia…. Estávamos na década de sessenta, e creio que já no IIIº ou IVº Encontro. O senhor padre Guedes, aceitou o convite, e com ele foi daqui quase meia freguesia.

Foi então que também o Rancho de Vilarinho apareceu, modesto, mas com pernas para andar. Logo lembrou ao Queiroz que devia pensar em legalizar o Rancho, até porque só assim é que poderia candidatar-se a possíveis benefícios sociais, que por vezes são dados às associações culturais. Facto é que atuou e agradou. Veio muita gente, a esse Encontro, que decorreu na Casa Pia (secção de Pina Manique-Belém); e teve missa celebrada pelo Sr. Padre Guedes na Igreja da Memória-Calçada do Galvão. Foi um êxito e marcou uma etapa daquelas em que os vilar-ferreirenses saíram do anonimato, por onde normalmente vagueavam. Mais tarde repetiu-se outra deslocação, mas agora por ocasião duma Semana Cultural que a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa, levou a efeito no Casino Estoril. O Costa Pereira fazendo parte do Conselho Regional da referida Associação, propôs que fosse o Ranho de Vilarinho a representar o concelho de Mondim de Basto. E assim aconteceu, com algumas peripécias pelo meio…, que dispensam comentários. É precisamente nessa altura, 1977, que o Costa Pereira fala muito a sério com o José Queiroz, e lhe propõe que vai arranjar modo de legalizar o Rancho, ele concordou. O Queiroz aceita e agora só resta iniciar os convites para que os futuros padrinhos pareçam e paguem as despesas do baptizado. Foi nessa ocasião que o nosso Rancho atuou na Feira Popular de Lisboa, e foi a um Programa do Júlio Isidro, na Praça de Espanha, que o Costa Pereira apresentou, em directo da RTP. A este, ficou também o encargo, de alinhavar os estatutos, e após a formação da Associação, manter uma Folha Informativa que se manteve cerca duma década. Aqui com a preciosa ajuda do José Francisco Borges Lopes, sempre incansável no dar a sua colaboração.
O Pereira vem a Vilar e faz uma conferência a que deu o título de “A Região de Basto e as Ferrarias entre Tâmega e Douro” e que foi um autêntico sucesso. Decorreu no espaço onde inicialmente era para ficar o Salão. Bem ao contrário de um outro que mais tarde publicou e é pena que não tenha merecido a mesma aceitação, dado a ser única monografia que há sobre a freguesia. E tem por designação “Vilar de Ferreiros - no espaço, na história e na etnografia”. E muito a propósito pergunto: quem é que conserva hoje algum dos exemplares que mandava para Vilarinho sempre que a edição saía?
Meus amigos, eu apostei em servir a nossa terra, sem dela me servir, gastei-me a defender os seus direitos e encantos que tem. A um saudoso amigo que foi meu professor devemos a luta que fez regressar o Santuário da Senhora da Graça à paróquia de São Pedro de Vilar de Ferreiros: foi o Dr. Primo Casal Pelayo. A ele ficará eternamente em divida a laboriosa população da minha e nossa terra.
Dos que nesse dia 31 de Outubro de 1979 apadrinharam a oficialização do Rancho já Deus os tem perto dEle: o Adão Gonçalves de Carvalho e o Manuel António, da GFiscal. Por enquanto estou cá eu, e José F. B. Lopes e o Neca Bouça. Ainda há tempos passei rente à igreja da Madalena, em Lisboa, a caminho da igreja de Santo António à Sé, e vi que já lá não existia o Cartório, onde a escritura foi feita. São quarenta anos! Meia vida.
Meus caros eu saí daqui, mas levei comigo o amor aos calhaus que conheci e aprendi a trepar por riba deles. Comigo levei também o amor à serrania e ao “Iteiro” da Senhora que sempre me protegeu. E hoje pela boca de um “jovem” já entradote, vos saúdo e recordo que vale a pena ser fiel e honrado. Muito obrigados pelo vosso reconhecimento. E atenção a freguesia não é só Vilarinho, chega de Campos à Cucaça e da Senhora da Graça ao Fojo, e ainda do Campo do Seixo ao Fragão de São Paulo. E por aqui me fico dando por terminado este meu arrazoado de Recordações e Memórias, que conservo religiosamente".

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D