Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Em dia do meu aniversário, faleceu o Fundador

por aquimetem, Falar disto e daquilo, em 06.12.17

 

barroso_da_fonte.jpg

 Por: Barroso da Fonte

Foi em 6 de Dezembro de 1185 que morreu o Fundador de Portugal. Na FNAC de Guimarães, será apresentado às 18,30 h o livro sobre a Saga da Santidade de D. Afonso Henriques que pretende invocar essa data e esclarecer a comunidade cientifica de que, em Julho de 1728, foi defendida e editada, em Roma, uma tese doutoral onde se demonstra que o nosso primeiro Rei,foi «Pio, Beato e Santo». Essa tese foi investigada pelo Teólogo Vimaranense e Cavaleiro da Ordem de Cristo José Pinto Pereira que foi destacado durante 29 anos pela Cúria Romana.

Com base nas muitas lendas e indícios de santidade, entre o nascimento, em 25 de Julho, em Guimarães e a sua morte em Coimbra, em 6 de Dezembro de 1185, o nosso primeiro monarca, sob o signo da predestinação, tudo fez para autonomizar o novo Reino, tudo tendo feito, em ordem ao bem-estar do povo e à  expansão da religião católica.

 Foram dez os argumentos em que esse Teólogo se apoiou para concluir que Afonso Henriques não teve vida fácil, mas sempre agiu em conformidade com os princípios da sã convivência humana e divina.

Desde a Batalha de Ourique, em 25 de Julho de 1139 , em que venceu os cinco reis Mouros, até ao encontro, do seu Corpo, incorrupto, na Igreja de Coimbra, onde jaz, foram dois dos indícios de Santidade analisados.

A essa tese chamou o Teólogo José Pinto Pereira Lusitano: «Aparato Histórico». Foi escrito em Latim, o que terá contribuído para se manter inacessível à  comunidade cientifica, quer nacional quer estrangeira.  Durante 283 anos, embora publicada, em Roma, na Tipografia Rochi Berrnabò, em MDCCXXVIII (1728), a obra foi engavetada.

O autor esclarece que referiu «estes favores extraordinários, não só em vida, como depois da morte, referidos neste Aparato na mesma língua em que foram escritos, para que nem um só jota ou ápice faltasse na Versão; esta será talvez dada depois em idioma Latino em favor dos Estrangeiros para os quais o nosso e o Espanhol ou não são suficientemente conhecidos ou absolutamente estranhos».

 José Pinto Pereira explica por estas palavras as razões de escrever o livro em Latim, a pensar nos estrangeiros visto que por essa altura nem a língua espanhola nem a portuguesa, tinham a importância que têm hoje.

Fosse como fosse, já passaram 832 anos desde a morte do Rei Fundador de Portugal. E já passaram 878 desde que lhe apareceu, na véspera da Batalha de Ourique, a hierofania  da visão divina a garantir-lhe que iria vencer os cinco reis mouros, o que se concretizou. Desde essa altura brotaram os primeiros perfumes da santidade que até hoje se adensaram na opinião pública.

 José Pinto Pereira confrontou-se com essa dúvida que chegou até nós. Mas ele por ser Teólogo, por ser cavaleiro da Ordem de Cristo e, nessas circunstâncias privilegiadas, conhecer as regras, os métodos e as  formas de agir, investigou até à  exaustão, as lendas, os mitos e as tradições, para que, separando  as águas, pudesse chegar a conclusões.

Só motivações de força maior poderiam interromper aquilo que era fácil: iniciar o processo de beatificação, a exemplo de outros casos, como foi, entre nós, o do beato D. Nuno de Santa Maria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D