Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

Portugal, minha terra.

<div align=center><a href='http://www.counter12.com'><img src='http://www.counter12.com/img-6d7wDw0z0Zz1WyaW-26.gif' border='0' alt='free web counter'></a><script type='text/javascript' sr

10.12.17

Combatentes do Ultramar: heróis abandonados à sua sorte

aquimetem, Falar disto e daquilo

18150483_laqBG.jpg

 

Por: Barroso da Fonte

A imprensa do dia 7 do corrente, publicitou «o regresso, meio século depois» de um para-quedista morto em Angola em 1962. Chegou de avião e foi recebido  na sua terra natal, em Lobão da Beira, por ex-combatentes e alguns «Boinas Verdes» a que ele pertencera. O JN desse dia mostrou, em texto de Sandra Ferreira e foto expressiva de Tony Dias/Global imagens, um ambiente pesaroso e frio, sem oficialidades e sem um mínimo de respeito por parte das entidades civis e militares.

No relato do JN escreve-se: «chegaram ontem, ao fim de 55 anos, os restos mortais de António Silva, um soldado para-quedista português abatido a tiro em Angola, na Guerra do Ultramar, ao cemitério de Lobão da Beira. A urna entrou no cemitério com dezenas de para-quedistas a cantar o hino dos Boinas Verdes. O militar morreu em combate a 19 de Setembro de 1962, no Ucua, em serviço do Regimento de Caçadores Para-quedistas de Tancos e a trasladação foi tratada pela União de Pára-quedistas, em colaboração com a Força Aérea Portuguesa e o Regimento de Para-quedistas da Brigada de Reacção Rápida do Exército Português.

Quando o soldado morreu, a família não tinha posses para transladar o corpo, que acabou sepultado em Luanda». Nessa altura já o militar tinha uma filha que entretanto passou a residir nos Estados Unidos. Ernestina Silva, filha única, desde criança, pretendia transladar o corpo para Seixal  da Beira, do concelho de Oliveira do Hospital. O processo começou a ser tratado «há nove anos de luta». Lê-se nessa mesma fonte que a «União dos Pára-quedistas fez um peditório, juntando cinco mil euros. A filha contribuiu com mais 2.500 euros». Uma vergonha para o Estado Português!

Leu-se, ainda que «o Estado abandonou os soldados que lutaram pela Pátria, quando a sua obrigação era trazer para Portugal os restos mortais de todos os que tombassem no campo da batalha. Isidoro Esteves, da União de Pára-quedistas, disse que ainda existem quatro ou cinco soldados portugueses em Luanda. Mas as famílias não têm meios para conseguirem trazê-los. E a reportagem cita ainda António Silva que foi companheiro de Leonídio Melo, na recruta que ambos fizeram em Tancos. E também participou nesse velório, 55 anos depois, António Ferreira Mendes, que fora seu colega na Escola Primaria, garantindo que o mártir Português era o mais inteligente de todos. Esta noticia, a 55 anos de distância, vai passar despercebida à generalidade dos Portugueses que, ignoram tão amarga, cruel e injusta geração dos anos 60/70, do último século.

As gerações que se seguiram e sem culpa nenhuma, foram intoxicados com uma revolução mal explicada, intencionalmente dirigida contra os protagonistas dessas quase duas décadas de guerra, primeiro na India e a seguir em África e Timor. Está por explicar esse período negro da História de Portugal, mormente entre 1955 e 1974. Foram a inveja, a raiva e o medo de uma classe que saía das academias militares, para ostentar os peitos e os ombros, medalhados até  às orelhas e que viam perigar esse estatuto, pela quantidade de milicianos que regressavam e, em conformidade com uma legislação de recurso, optavam por ingressar nos quadros. Não para concorrerem, com os profissionais. Mas porque regressavam preparados, experimentados e conscientes de que as tais academias formadoras que lhes incutiam no espírito de classe, garbosa e elitista, não produziam quantidade suficiente para garantirem comandos suficientes nas diferentes frentes de combate.

Os milicianos pensavam, legitimamente no seu futuro e no futuro da integridade nacional. Eram convocados, forçados, intimidados a comparecer  às ordens do recrutamento. Obtinham uma formação intensiva, teórica e pratica. Deixavam tudo e todos. Nos anos de serviço obrigatório demonstravam que tinham perfil para prosseguiram, agora por vontade própria. Não o faziam com o espírito de deslealdade ou de competição com os profissionais. Haviam servido, em média, dois anos em teatro de operações. Aí não se discutia a competência, a hierarquia e a idoneidade. Nas academias já não se concluíam os cursos de formação. As fornadas eram intensivas porque faziam falta nos comandos de companhias. Para o comando de pelotão e de secções bastavam os milicianos. Estes eram «os piões das nicas» que durante esses anos de guerrilha, perderam a família, o emprego e os cursos universitários, para servirem, como burros de carga, os «capitães» que invocaram o descontentamento do povo, para, em nome da revindicação de classe e com a valentia das armas na mão, imporem as suas teorias revolucionarias.

Que um golpe de estado, ou ação consertada, entre o poder das armas e da sociedade civil era necessário e urgente ninguém o contesta. Mas que os «capitãens» ditos heróis de Abril, elegeram para vitimas maiores os milicianos também é verdade que nunca foi contada nas escolas, nas empresas, em jornais, rádios e televisões.

O que se viu é que essa geração de militares, enquanto tiveram armas, mandatos de prisão sem assinatura e poder nas mãos, espalharam medo em todas as classes. Prevaleceu o bom senso. Mas foram os oficiais superiores e generais da época que viram interrompidas as suas legitimas carreiras e os milicianos e soldados em geral, que sofreram e ainda sofrem as consequências dessas formadas  ideológicas. Houve honrosas exceções. Mas o desprezo oficial, a crueldade do esquecimento e o medo ás armas que ditaram este holocausto que leva 43 anos de injustiça social e política.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D