Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



CCE19042011_00001 FOTO e ASSINATURA.jpg

 Por: Barroso da Fonte

O primeiro ministro que nos calhou em sorte, apenas e só, pela engenhosa geringonça que cozinhou, após a vergonhosa derrota eleitoral que – não fora essa cambalhota – teria «morrido» para a política nacional, António Costa acusou «a péssima qualidade da informação em Portugal que só desperta para o problema no meio da tragédia», como causa direta da caótica situação em que se vive. Costa logo teve a resposta que pretendia de alguns jornalistas que ainda têm independência suficiente para o mandar às malvas.

 Filomena Martins, que não conheço mas que não teve papas na língua, respondeu-lhe à letra nas redes sociais, chamando a atenção para o «relatório da péssima qualidade da governação». Aí lhe devolveu o espirro ao dizer-lhe que «o problema do relatório sobre o drama de Pedrógão «não é da péssima qualidade da nossa informação, mas sim da péssima qualidade da sua governação».

Também o jornalista J. A. Costa Pereira no Blog «Tempo caminhado» corroborou o trocadilho ao  screver que  «o 25 de Abril deu para isto: com a liberdade o país e a nação perderam tudo quanto de prestigiante tinha. E ninguém venha dizer o contrário porque mente. Apontem lá quem tinha coragem de no fim de uma catástrofe como aquela que se abateu em Pedrógão Grande, aproveitar o momento para saquear, em seu proveito, o muito ou pouco que na Câmara Municipal havia. E depois queixam-se de que o António da Calçada ordenasse que gente desta fosse gozar férias em Peniche, no Tarrafal e em outros lugares asados para esta gentinha apanhar sol».  Filomena Martins insiste: «admito que António Costa preferisse que todos ignorássemos mais este grave relatório. Que não considerássemos isso «péssima qualidade da informação. Lamento, mas não concordamos». Não reconheceu António Costa que foi uma péssima decisão quando a sua ministra só autorizou 50 das 105 equipas de combate aos fogos, solicitadas e quando chumbou horas de voo suplementares, mais aviões e equipas especiais de bombeiros. Como não entendemos, lê-se na mesma fonte que «depois do que acontecera em Julho, não se tivesse dado mais e melhor informação prévia e tomadas medidas mais robustas».

Depois das sucessivas trapalhadas dramático-grotescas, de Pedrógão e de Tancos, sabendo-se que o principal político estava e se manteve de férias, até às primeiras vítimas; conhecendo-se a gabarolice do ministro do ambiente que uma semana antes dos incêndios já cantava vitória por falta deles; depois das piruetas do desaparecimento das armas, granadas e outros materiais de guerra, do depósito de Tancos, das exonerações dos comandos e da sua readmissão, semanas depois que moral têm António Costa e seus pares para descarregar as culpas  de tantos e tão ofensivos falhanços naqueles que formam e informam, com base em factos indesmentíveis?

 António Costa não pode acusar os jornalistas, nem os órgãos onde eles trabalham. São eles e é o Presidente da República que nos dois anos que o seu governa leva de mandato que, através de comentadores residentes em todos as rádios nacionais, televisões e imprensa escrita lhe cultivam a imagem de bonzinho, ao contrário do que acontecia no governo anterior, onde as esquerdas, os sindicatos e os fiéis devotos socratinos, se revezavam nas greves, nas arruadas, nos tumultos por cada medida que esse governo legítimo e legitimado pelas eleições seguintes, tomava para devolver aos portugueses a credibilidade que andava pelas ruas da amargura?

 Não acuse os jornalistas pelos seus fracassos sistemáticos e pelo incumprimento de promessas feitas, antes, durante e depois da sua chegada ao poder. Foi finório quanto baste para converter as esquerdas ao seu redil. E, mais que finório, foi bafejado por qualquer força extra-terrestre por ter sido aluno do atual PR, que o abrigou da chuva, desde a primeira hora que não só em Paris. Veja se tem astúcia, como teve em 2014, para manter silenciada a esquerda, os sindicatos, e os socratinos que  estiveram com António José Seguro, quando foi desleal para com esse seu camarada. Veja se não  é «péssima a informação» que o move a enterrar mais uns milhões no Montepio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D