Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não se fiquem por aí.

por aquimetem, em 18.06.17

 

6MNHKNXH.jpg

Cercado por Castanheira de Pera, Góis, Pampilhosa da Serra, Sertã e Figueiró dos Vinhos, Pedrogão Grande é um município do distrito de Leiria, região Centro, da qual sou apreciador e tenho por todo esse espaço geográfico particular admiração. No meu trabalho “Nossa Senhora da Graça - Na Fé dos Mareantes” consagrei algumas páginas a esta região, onde neste fim de semana se deu uma tragédia com um fogo florestal que neste momento já deu conta de 62 mortos e 54 feridos graves.

18428855_5gCoR.jpg

Uma série de amigos tenho muito afectos à região, o saudoso Evaristo que foi do restaurante Isaura, na Av. de Paris, em Lisboa, proprietário e era natural de Figueiró dos Vinhos. O saudoso guarda florestal do Parque de Monsanto, também em Lisboa, que da freguesia da Graça ( Pedrogão Grande) era natural ; bem como entre os vivos o meu comprovinciano João de Deus Rodrigues, poeta e prosador que ali foi por casamento encontrar a companheira e veio da continuidade por onde a gesta transmontana deixa rasto. 

BBCosZj[1].jpg

Aos familiares das vítimas que ficam em dor profunda, e não se consolam com palavras ocasionais…Faço votos que os abraços e palmadinhas…dos nossos políticos não se fiquem por aí…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34


Vão às sopas do Pisão

por aquimetem, em 02.03.17

Cartaz sopas (1).jpg

Mais uma iniciativa da ABAD a louvar, já que leva alegria e boa disposição, a quem lá poder estar no próximo sábado, dia 04. Sempre muito participado e em crescente os sabores da culinária bajouquense também nas sopas se distingue. Dos responsáveis pelo evento recebi hoje um e-mail que sei se destina a todos os leitores deste blog, onde consta:

“Caros amigos,
Em anexo se envia o cartaz respeitante ao X Festival das Sopas, a realizar no salão do Pisão - Bajouca, no próximo dia 4 de Março, pelas 20 horas.
Contamos com a vossa presença!
Com os melhores cumprimentos,
P'la Direção
Fátima Fernandes

ABAD - Associação Bajouquense para o Desenvolvimento
Rua das Matas, nº 120
2425-196 Bajouca
Telefone: 911169260
http://www.bajouca.org/ “

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:22


Boas entradas no 2017.

por aquimetem, em 31.12.16

DSCN0789.JPG

Como de costume quando na capital do barro leiriense tenho por hábito visitar o patrão da terra em primeiro de tudo, mas hoje não foi assim. Com receio de se esgotar a cozedura do pão, passei primeiro pelo Olival da Paróquia, onde parei uns segundos a ver a tradicional equipa bajouquense dos Amigos do Verbo Divino atarefada com mais uma fornada destinada à angariação de fundos para o benjamim convento das Clarissas de Timor, que as Irmãs Clarissas de Monte Real fizeram germinar.

DSCN0788.JPG

 Dá gosto ver esta laboriosa equipa com a Fernanda Capitão na vanguarda, a trabalhar afincada e generosamente por esta e outras causas nobres da, e para além, Bajouca. Chama-se a isto passar e festejar verdadeiramente um fim de ano cristão: servir com ternura e carinho tudo quanto seja ajudar os mais carenciados a terem uma vida melhor. Para esta gente laboriosa os votos de boas entradas no 2017.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:31


É melhor não confiar

por aquimetem, em 07.09.16

57cf264f-c7bc-4d01-9db9-5b155e7eaa97.png

De noticia que li hoje no Diário de Leiria, mereceu-me esta modesta, mas muito convicta, opinião, se tiverem outra acho muito bem:

De mal a pior, no que toca a assistência medica neste país, e com um governo a prometer o que não dá, como tira. A Bajouca é uma das autarquias do concelho de Leiria que se distinguiu na aquisição de serviços sociais para os seus habitantes, como Centro Social e Posto Médico, além de muitos outros de carácter cultural e desportivo onde os valores humanos são realçados. Sem contar surge a determinação superior a ordenar que o Posto Medico encerrasse pois não há funcionário para manter a porta aberta. Quem precisar dos serviços que vá bater a outra porta, neste caso a Monte Redondo. Assim vai a saúde à socialista, neste país das bananas. Para já a promessa é de “encerrado temporariamente”, oxalá seja verdade, mas nas promessas desta gente é melhor não confiar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40


Em tempo de férias até dá jeito.

por aquimetem, em 17.07.16

IMG_6647.JPG

Hoje já ninguém sabe se na viagem, no local de trabalho ou em sua casa tem a vida segura, o recente massacre de Nice e o golpe falhado da Torquia, são exemplo a ter em conta. Mas em contrapartida os portugueses podem se dar por felizes, além de Campeões Europeus de Futebol, primeiros em Atletismo, e agora Campeões Europeus de Hóquei em Patins é caso para não esquecer e festejar de forma exuberante. Se maneira melhor não houver para desenvolver a industria medalheira seja esta fomentada pelo Sr. PR que não tem tido mãos a medir a medalhar os nossos atletas campeões. Eu vou para ferias uns dias e não sei se por lá terei oportunidade de acompanhar o rodar do nosso cotidiano, mas na medida do possível vou fazer por isso. Comigo levo o que neste 17 de Julho já me deu para reflectir: 84 mortos, em Nice, pelo menos 265 na Torquia, e com um António Costa nos bastidores à espera que a conjuntura europeia dê uma ajuda. Se não der também se dispensa, o Zé tem cinto com buracos para apertar, e em tempo de férias até dá jeito.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47


Modelo para quem fica....

por aquimetem, em 14.03.16

IMG_6044 (4).JPG

Vitima de doença que não perdoa faleceu ontem a saudosa bajouquense Isabel Pedrosa, apenas com 50 anos, deixa viúvo o Sr. António Marcelino, e órfãos de mãe dois filhos, o Lucas e o Igor. Família muito conceituada na Bajouca e em toda a região leiriense, ainda não há muito tempo, em 27 de Setembro ultimo, também a propósito do passamento de seu pai, fiz uma noticia neste blog sob o titulo “ Homens destes não morrem” onde constava ainda o nome desta filha dilecta do saudoso ti “Zé das Matas”. Da agora extinta D. Maria Isabel Pereira Pedrosa, guardo a recordação do ultimo momento em que a vi, na festa da catequese, que decorreu no salão paroquial da Bajouca, no passado dia 19 de Dezembro. Porque não me é possível estar presente nas cerimónias fúnebres que vão hoje decorrer aproveito para apresentar os meus sinceros e sentidos pêsames a toda a sua família enlutada, deixando aqui um particular agradecimento à pessoa amiga que ontem me alertou para esta noticia online que consta na pág. de José Pedrosa : “Venho por este meio informar que a minha irmã Isabel Pedrosa faleceu hoje, dia 13/03/2016 e o corpo chega amanhã às 11h, à casa mortuária da Bajouca. O funeral será às 16h, na Igreja da Bajouca”. O que disse de seu pai, aplica-se a esta sua filha: as almas boas e sofredoras também não morrem, são modelo para quem fica

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28


D. Maria Helena Trigo

por aquimetem, em 22.08.14

          Faleceu esta distinta senhora que passou a vida a fazer bem, e que como Assistente Social deixou rasto nos locais de trabalho  por onde passou, formando e orientando centenas de jovens alunas que a tiveram por mestra e amiga confidente. Conheci-a de perto e com ela assisti às comemorações das Bodas de Ouro da Escola Social Rural de Leiria, que em 2007 foram festejadas na cidade do Lis. A propósito desse evento escrevi então, em post de 28 de Junho, no meu blog Ao Sabor do Tempo:

          "Para garantir uma formação de base mais sólida, o Curso era repartido por três grandes áreas, a saber: Cultura Geral: Português, História de Portugal, Noções Elementares de Psicologia, Pedagogia, Serviço Social, Noções Elementares de Arte, Economia Doméstica e Civilidade. Artes Domésticas: Limpeza e Arranjo Doméstico, Costura, Bordados, Tecelagem, Culinária, Noções de Enfermagem e Puericultura. Esta componente de formação incluía actividades práticas desenvolvidas na escola, através da constituição de equipas de trabalho que garantiam os cuidados necessários à boa ordem e manutenção dos espaços onde as alunas residiam e estudavam. Noções de Agro-Pecuária: Agricultura, Jardinagem, Criação de Aves e de outros animais eram também ensinadas com o objectivo não só de proporcionar o conhecimento destas actividades características do mundo rural, mas também, através da vertente prática, de garantir que se davam às alunas, maioritariamente oriundas desse meio, os conhecimentos necessários para poderem, uma vez regressadas aos seus locais de origem, ser elas próprias factores de desenvolvimento local".- Dessa escola foi Directora desde 22 de Dez. de 1958 a Dez. de 1962 e de 18 de Outubro de 1964 a 9 de Outubro de 1968, D.Maria Helena Costa Trigo.

 

 D.Maria Helena Costa Trigo

           A Missa do 7ºDia que hoje ocorreu, às 12h10, na igreja de São João de Deus, em Lisboa, foi uma demonstração desse afecto com que a D. Maria Helena era presença na consideração das suas agradecidas amigas, muitas  que ajudou a ser verdadeiras mulheres, esposas e mães. Lá encontrei de Leiria, a Lina; e de Lisboa, a Maria dos Anjos, e eu, em representação da Saudade, alunas que foram da Escola Social e Rural de Leiria, e tiveram por formadora a D. Maria Helena

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00


Em dia da Assunção

por aquimetem, em 15.08.14

Bajouca em festa, andores na rua, aqui a Bajouca Centro na preparação do seu

          O mês de Agosto deve ser de todos o mês que mais dias vive em festa. Mas o forte anda certamente à volta do dia 15, Assunção de Nossa Senhora, e do dia 24, São Bartolomeu.

 

O vídeo dá uma ideia.

          Entretanto, além destas duas celebrações, do calendário cristão, muitas outras religiosas ou não acontecem aos longo de Agosto,  como por exemplo o 14 de Agosto de 1385, que maioria dos nossos jovens desconhece foi quando se deu a Batalha de Aljubarrota.  E que teve por herói, São Nuno de Santa Maria.

           Dia de festa , sai o padroeiro fora e os escuteiros, vaidosos carregam com Ele.

           Também a Bajouca festeja o seu padroeiro, Santo Aleixo por volta da Assunção, e que na região de Leiria atrai inúmeros visitantes que aproveitam para no restaurante da festa comer o afamado "Carneiro à Bajouca". Vou para lá agora mesmo se tiver mesa.

          Também orgulhosos cada lugar apresenta-se com seu andor

 

          No Olival Paroquial vão todos ser leiloados a ver qual deles rende mais

          Também a Filarmónica de Santo Aleixo que abrilhantou a Eucaristia e animou a Procissão é nesta festa elemento a realçar

A Missa festiva que às 14h30 teve lugar, foi prosseguida de procissão a que presídio o Sr. Padre Melquiades.

          Procissão em que desfilaram as imagens de Santo Aleixo, Santa Cecília e Nossa Senhora que aqui se vê transportada por piedosas mulheres bajouquenses

 

O vídeo ajuda a ver o que os caracteres alfabéticos não mostram

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58


Tradições da Bajouca

por aquimetem, em 03.05.14

  

          Ouvi há muitos anos um pregador bem humorado dizer por graça que : “Muito comer, pouco rezar e nada pecar, Deus leva a bom lugar”. Não se tratando de doutrina de igreja, nem norma a cumprir, o dito tem certa lógica e se não fosse a Gula e a  Preguiça que se fazem notar no dito, até tinha cabimento. Mas com franqueza, dias como este ultimo  27 de Abril não são para se repetir muitas vezes ao ano. Em primeiro lugar porque é preciso ter pedalada, que já começa a faltar. E em segundo, porque nem sempre há convites e oportunidades destas. Até porque a Ângela também só uma vez por ano é que, em Abril, festeja o seu nascimento. Ah! Devo dizer que a Ângela é um personagem do livro Nossa Senhora da Graça-Na Fé dos Mareantes, é só para saberem.

 

          O certo é que depois das sopas e do lanche, às 18:00h estava noutra mesa recheada, uma vez que me não neguei ao honroso convite.

  

          Pena tive de não poder emparceirar com os garfos ali presentes, mas a barriga tem medida e só lá cabe aquela conta. Um copo em dias de festa é que vai sempre desde que a cabeça permita. E não esquecer que também na véspera fez anos a Helena, uma tia materna da Ângela que também na farra faz bem o seu papel. 

          Em animado ambiente lá fomos encontrar também a consagrada escultora de pedra Adália Alberto, tia paterna da aniversariante, que conheço melhor do facebook que pelo relacionamento pessoal. Foi de facto um Domingo da Misericórdia que valeu por isso mesmo, e que começou no Sábado, dia 26 com a recepção das Boas Festas, e o que à sua volta noticiei em terrasdolis; a seguir foram as sopas, como em Ao Sabor do tempo se relatou; depois o lanche que Na retaguarda ficou registado. E para encerrar a jornada escolhemos Portugal, minha terra. São blogs a consultar.

 

          Casa e barriga cheias quando tudo apostos foi o cantar dos parabéns e retalhar do bolo com a mãe da Ângela a dar ajuda no acender das belas.

          Aqui o pai no meio da maralha para manter a ordem

          Parabéns cantados, bolo repartido deu-se a liberdade à gente nova que a festa é deles

           Há garrafas de tinto e branco, mas só para uso dos graúdos. Nem todas ficaram cheias.

           Aqui só bolos, laranjada ou água para acompanhar. A não ser que o David Alberto, tio paterno da Ângela, me engane.

          E da Vieira de Leiria, que até é da Marinha Grande, veio a D. Luzia e o Sr. Amílcar um simpático casal muito amigo dos pais da Ângela, e não só deles, acrescento eu.

          Verdade verdadinha é que a minha presença na Bajouca durante o tempo nobre das Festas Pascais deste ano foi ocupada com festanças familiares e daquelas que deixam marca, como esta do aniversário da Ângela que feito no dia 14 jamais pensei que ia vê-la em festa rija. Como não à mal que não acabe, também não à bem que sempre dure, por isso de cara alegre lá vai o ti Américo, avô paterno da Ângela, regressar aos seus aposentos. Também não demorei muito pois ainda me quis despedir do grupo que deixei na Rua 17 de Dezembro, a ver vídeos com tradições da Bajouca

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18


A força que tem o mar!

por aquimetem, em 18.02.14

Esta é a Rotunda Norte ou da Cáritas da Praia do Pedrógão que em Setembro ultimo um temporal quase tornou irreconhecível; mas como não bastasse, vieram as mais recentes tempestades agravar a situação. Pese ser a minha praia desde há uns quarenta anos a esta parte, e de muito já ter escrito a seu respeito, o facto é que desde o Verão passado nunca mais por lá passei. Para ver misérias, bem me chegam aquelas com que me cruzo na rua.

Mas no domingo dia 16, uma alma caridosa lá se lembrou de me convidar para lanchar fora da capital do barro, e carro cheio (é de 7 lugares), escolheu como destino o Pedrógão.

Fiquei desolado e triste por ver a praia que bem conheço no estado que o temporal a deixou, e as fotos da Rotunda Norte aqui mostram. A força que tem o mar!

Como um pouco por todo o litoral, também na terça-feira, 07 de Janeiro, foi dia de contabilizar os estragos causados pelo temporal que se abateu em todo o país e que no Pedrógão causou danos que além dos prejuízos vão demorar a sanar.  Apenas um dia bastou para o mar “comer” a praia Norte,  e danificar o paredão. Não apenas o areal, como parte do passadiço que dá acesso à praia desapareceu e o muro do paredão abriu extensas brechas.

Mas antes de continuar com a reportagem fotográfica vale dizer que a Praia do Pedrógão é a única praia do concelho de Leiria, e fica situada a norte da foz do Lis, muito próxima da praia da Vieira. Pertence à freguesia do Coimbrão e disse dever o nome a um afloramento rochoso que ressai no areal, conhecido pelas “Pedras”; e as divide em Pedrógão Norte, onde fica a povoação antiga; e o Pedrógão Sul, pelo areal que por vezes chega a desaparecer

 

 Dos estragos conta a moradora ti Encarnação Quiais : " nunca tal coisa me lembro; antigamente, noutro tempo, não havia barreiras e o mar, no Inverno, batia por vezes na muralha, mas nada como isto". 

 

Já o presidente da Junta de Freguesia do Coimbrão, Ventura Tomás, revela à Região de Leiria a sua intenção de reportar a situação à Agência Portuguesa do Ambiente (APA). E o autarca faz saber que as marés vivas, habitualmente “expectáveis” lá para Outubro, desta vez “vieram mais cedo”.

Recorda ainda que "quanto aos danos provocados pela erosão e o avanço do mar no Pedrógão, “a tendência é agravar-se se não se fizer nada a montante”, lembrando os vários alertas enviados à tutela".

 

 Não é espectáculo que agrade ver, pelo que tem de trágico, mas que desperta curiosidade a quem dá apreço às emoções fortes, não tenhamos dúvidas. E disso deu provas a quantidade de forasteiros que no domingo, dia 16, fui encontrar no Pedrógão. Quase comparei com um daqueles dias de Agosto, em que os veraneantes ocupam todo o areal e ruas da piscatória estancia balnear.

 

Dos curiosos aproveita o pequeno comércio local, sobretudo os cafés que nestes fins de semana têm aberto para recuperarem as percas dos efeitos do temporal

 E lá fui encontrar uma avó feliz que foi da Gaspara mostrar o mar ao neto.

  

 Entretanto o homem apoiado na maquina tenta remediar os estragos deixados pela onda, e repor as areias desaparecidas, por forma a que na próxima época balnear, que vem aí, os veraneantes possam gozar do sol e aguas da Praia do Pedrógão. Assim o tempo deixe, e as maquinas tenham condições para escavar e transportar as toneladas de areia que faltam na praia e o mar engoliu.

 Acompanhei este trio desde a rotunda da Cáritas até à rotunda das Pedras, 1800 metros, a ver um mar menos ameaçador, mas nunca de fiar...Mas outra coisa vi: que as pessoas gostam de enfrentar o perigo. Por mais que as autoridades recomendem para não se aproximarem dos lugares perigosos é onde as pessoas se juntam mais e desobedecem. Também se assim não fora, Vasco da Gama não chegava à Índia, nem Pedro Alves Cabral ao Brasil.

 A caminho das Pedras não sou só eu a fotografar

 

 Uma perspectiva das Pedras.

 A rotunda das Pedras onde fomos parar para um lanche que os ares do mar fazem apetecer, mas que a concorrência de curiosos, como nós, obrigou a seguir viagem até à "Serração", nas Várzeas

 

 Mas antes passamos pelas antigas salinas da Carreia, para mais abaixo visitar a foz das águas que das Cavadas da Bouça (Bajouca) por Santo Aleixo e Aroeira (Monte Redondo) vão desaguar no Lis. E aqui as temos em força, passando por baixo da ponte, para darem entrada no rio. Rio que também fez das suas, ao longo do seu percurso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:47


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D