Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cuidado com os ressabiados da Política

por aquimetem, em 15.09.15

CCE19042011_00001 FOTO e ASSINATURA.jpg

 Por: Barroso da Fonte:

"O debate da última quarta-feira, acordado pelos três canais generalistas da televisão portuguesa, entre Passos Coelho e António Costa, foi uma sessão de verdadeiro striptease lusófono. Mais do que esclarecer, confundiu e, mais do que identificar os bons costumes do futuro primeiro ministro, trouxe à ribalta, dois cidadãos que convivem mal com o civismo que o cargo exige. Foram evidentes o nervosismo, o insulto e até o atropelo que, aqui e ali, embaraçaram os moderadores. Vive-se hoje a cultura do princípio de que só é notícia aquilo que as televisões mostram e dizem. E não é menos verdade que as televisões, todas elas, saturam, enervam e prejudicam mais do que informam os telespectadores. O povo, esse povo amordaçado, extorquido, espezinhado por todos os políticos que, em nome de princípios democráticos, governaram o país, desconfia de todos e de tudo. E tem fortes razões para não acreditar em governantes que prometem o céu e nem o purgatório podem garantir. Os 40 anos que decorreram, desde o 25 de Abril de 1974, são mais que suficientes para comprovar esta evidência.

O penúltimo governo agonizou. E aquele que se lhe seguiu, não conhecendo aquilo em que se ia meter, prometeu o possível e o impossível. Fosse quem fosse a substituí-lo teria que fazer das tripas coração para devolver ao País e aos seus cidadãos, a dignidade, o equilíbrio e a justiça que uma sociedade democrática exige. Em quatro anos fomos todos a «pagar as vacas ao dono». Alguns syrizas que por aí há, tentaram convencer o poder político para que não pagasse as dívidas. Os escravos, mais uma vez, voltaram a ser os pobres, os silenciados, os burros de carga que se confundem com a classe baixa e média. Ao fim de um mandato, como acontece em todas as empresas e instituições públicas e privadas, é obrigatório encerrar o plano de actividades e as contas. Para isso existem os chamados conselhos fiscais de uma qualquer direcção associativa.

Do mesmo modo existe o Tribunal de Contas que sanciona os gastos, responsabilizando os desvarios. O debate fez-se em moldes inovadores e três jornalistas, um de cada estação televisiva, moderaram o diálogo. Não foi por eles que o espectáculo desagradou a gregos e a troianos. Foi estragado pelos pirómanos da política que desde o 25 de Abril de 1974 se têm intrometido, aqui, ali e acolá, na ânsia de fama e de proveito. Exemplos contra natura existem em todas as forças partidárias. Mas ao acaso cito meia dúzia: Manuela Ferreira Leite, Diogo Freitas do Amaral, Pacheco Pereira, Mário Lino, Helena Roseta, Basílio Horta, António Capucho. São dezenas. Centenas, milhares...

Não refiro nomes que estejam a contas com a justiça para que não me acusem, como fizeram a Paulo Rangel. Pelos vistos, aquilo que até à prisão de Sócrates, era corrente fazer-se em debates desta natureza, de repente, mudou de moda. Que assim era reafirmou-o Teixeira dos Santos, no JN de 22 de Agosto, ao recordar as palavras de Santayanna: «Aqueles que não conseguem lembrar-se dos erros do passado estão condenados a repeti-los». António Costa e a plêiade de comentadores que festejaram a sua (im)provável vitória, irritaram-se e mudaram de agulha na linha do comboio que preparam para a vitória de 4 de Outubro.

O que contrasta com as acusações que fizeram a Passos por ter citado meia dúzia de vezes o nome de Sócrates. Onde está a coerência dessa gente que acusa o líder da Coligação de chamar a troika e não pode citar quem deixou de ter dinheiro para pagar salários ao funcionalismo público?                                          

Passos deveria ter insistido com Costa por ter sido dos primeiros políticos portugueses, ao lado de Catarina Martins, batendo palmas à vitória de Syriza. Não o terá feito por cortesia. Do mesmo modo não respondeu a Costa quando este citou o caso do BES. Quem terá mais culpas na falência do BES? E porque não se aprofundou este tema que é dos mais delicados da actualidade? Conviria saber que Fundações, que políticos e que partidos foram gratificados por Ricardo Salgado...

Armando Palavras, escreveu no seu blogue Tempo Caminhado, aquilo que para os apoiantes de Passos, deixou tudo sarapantado: «O debate só não foi esclarecedor para quem não quis. Para os comentadores do costume não foi. Até porque os comentários não passaram da ficção do costume...Determinado comentador conhecido dá a sua opinião. Diz quem ganhou (dá o mote), não diz mais nada e a seguir, em online, uns milhares votam!». Eu explico: o ressabiado Marcelo, usou a sua ferramenta mortífera e, mal acabado o debate, derrotou Passos Coelho. Essa votação endemoninhada, fermentou uma derrota que a sondagem do dia tinha anunciado para as tropas da Coligação. Logo os três comentadores da SIC, mais o quarteto da Quadratura do Circulo, com o putativo ministro da cultura de António Costa, sempre em contra-mão (Pacheco Pereira), pelas mesmas razões, celebrou a vitória do PS com Jorge Coelho que afirmou ser esse o ponto de partida para a vitória estrondosa de 4 de Outubro. Ou seja: Passos não apoia Marcelo, logo apanha com o rolo da massa; a Manelinha não gosta de Passos, logo faz ronha e Costa transforma um diabo em anjo da guarda e assim por diante. Tem propalado aos quatro ventos o ditado: «Palavra dada palavra honrada». Porque é que ele a desonrou quando abandonou a Câmara de Lisboa para triturar José António Seguro? Em Maio de 2002, quando era líder Parlamentar, proferiu contra Manuela Ferreira Leite os mais denegridoras palavrões. O JN de 20 de Agosto último, transcreveu pela mão de Nuno Melo, os mais rasgados elogios contra essa pretensiosa anciã. Tudo isto contrasta com a incoerência daquele que poderá ser o próximo 1º ministro.

Que ganhe o melhor para bem de Portugal! Mas que esta açorda de marisco está contaminada ninguém pode negar..."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:42



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D