Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Chupins da política snob

por aquimetem, em 01.10.15

18150483_laqBG.jpg

De : Barroso da Fonte:

"Ao ler o JN de 28 de Setembro último, demoro-me na leitura da página 8. Metade é encimada por: «Passos Coelho quer «reconciliação» com quem pagou a crise», a 3 colunas. À mesma altura da página, vê-se uma foto com imenso público apoiante; e um abraço estudado e esperado entre António Costa e Freitas do Amaral, legendado com o seguinte texto: «António Costa recebe apoio de Freitas em plena festa no Minho. O apoio de Freitas, ontem, um dos momentos da campanha socialista».

Tentei registar nas minhas crónicas de mau humor, esta peripatética cena. Pensei que este registo era inocente. E já me tinha esquecido dele quando, no telejornal dos canais da noite seguinte, reparei no estrebuchar de Basílio Horta, num tom grotesco a que já nos habituara, quando foi candidato isolado, a PR, muitas vezes repetido nos cadeirões do Parlamento, onde, durante 4 anos, se irritava com aqueles que o tinham elegido, vezes várias, enquanto fundador e candidato do CDS.

Foi assim que rastejou para chegar a Presidente da Câmara de Sintra. Com esta visão, acordei para duas coincidências que me lembraram os chupins que são pássaros que põem os ovos no ninho do tico-tico (Brasil) que lhe cria os filhotes.

No JN de 28 estava um exemplo claríssimo. Nos telejornais um segundo exemplo. Freitas do Amaral e Basílio Horta tergiversaram, enrolando-se, aqui, ali e acolá, para ascenderem ao sonho que haviam tido quando emergiram do regime que durou 48 anos e que leva quase outros tantos para desmistificar alguns daqueles que foram perdendo a máscara da sua verdadeira identidade.

Numa crónica que escrevi, recentemente, mencionei os ressabiados da política alertando para os perigos que essa casta representa. Pretendi dizer que devem levar-se, a sério todos aqueles que são de esquerda, de centro ou de direita, desde que sejam puras essas intenções. Os comunistas, bloquistas, socialistas, sociais democratas, centristas. Todos merecem o meu integral respeito porque defenderam e defendem, contra ventos e marés, aquilo em que acreditam: um ideal de vida.

Ao lado destes dois citei outros, como: Pacheco Pereira, Mário Lino, Pina Moura, Santos Silva, Helena Roseta, Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix,tantos que se fosse a citá-los todos não haveria espaço para concluir esta réplica a tanta provocação.

É por causa destes e de outros que tais que a baixa política deu no que deu. É evidente que os partidos vivem e sobrevivem com a boa fé dos militantes de base. São esses os heróis da verdadeira democracia. São fiéis àquilo que, em dada altura, entenderam corresponder à sua ideologia. Se agissem como agem os «graúdos», os que pensam ser melhores, apenas pelo facto de ocuparem cargos vistosos e bem remunerados, são piores, porque amuam, se não constam nas listas; irritam-se se não sobem na hierarquia da Câmara, da Assembleia Municipal ou na Parlamento.

Já aqui expliquei a incoerência de Freitas do Amaral que admirei como um super-homem, decepcionando - me ao dobrar da primeira esquina. Embora não conheça tão bem a biografia de Basílio Horta, desiludiu-me, do mesmo modo, pelos saltimbancos partidários. O mesmo digo e repito, de Manuela Ferreira Leite que se fartou de cometer erros como ministra das Finanças e da Educação e que tem vindo a arrastar a asa para ver se volta ao poleiro pelo PS. Censuro Pacheco Pereira, não por ser um dos melhores intelectuais contemporâneo, mas por se valer da «quadratura do circulo» para ser, de entre os três comentadores residentes (contra 8 mil euros mensais), aquele que mais combate, apenas pelo facto de não lhe terem distribuído um cargo ministerial. Tal como Bagão Félix, outro comentador que gostaria de ter um ministério em nome do CDS... E assim por diante.

Dia 4, o povo será soberano. Assim, daqui até, lá não haja «factos endiabrados» que a política tem vindo a conhecer à medida em que se aproxima a hora da verdade. Temos que estar precavidos contra essas atoardas que a Espanha já conheceu. Se as sondagens que têm vindo a sair diariamente tiverem base científica, a coligação ganhará. Seria o prémio justo para quem se bateu coerentemente, ao longo destes quatro anos, contra ventos e marés. Pagar a dívida que existia, foi justiça de Salomão. A honestidade, a dignidade e a transparência é a trilogia democrática. Os caloteiros não devem acolher-se em beiral de gente séria. A justiça deve exercer-se em plenitude, E em todas as direcções, espaços e tempos. Até, neste particular, os Juízes mostraram que estão atentos. E o governo, ao contrário de outros, não processou a imprensa, nem exigiu os direitos de resposta, tanto como era de supor. Não conheci casos ao longo do mandato.

Se fosse por comodismo, fiado nas promessas de devolver tudo o que Passos Coelho retirou, eu votaria em António Costa. Mas como desconfio de quem promete devolver tudo, sem saber como e onde vai buscar aquilo que o seu governo malbaratou, não irei na cantiga.

Pessoalmente votarei em Passos Coelho, não só por ser filho de um notável médico e escritor Transmontano, como pela honestidade que exigiu a todos, servindo sem se servir. Se ganhar, procure rodear-de de gente que não tenha telhados de vidro. Cumpra as promessas de olhar mais para quem mais sacrifícios suportou, por culpa de quem deveria ser mais prudente e menos arrogante. E, se perder, não faça como António Costa ameaçou. Procure viabilizar o orçamento Geral do Estado, porque será dessa maneira que mostra ser Português de corpo inteiro".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:49



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D