Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



barroso_da_fonte.jpg

Por: Barroso da Fonte:

"Talvez já seja demasiado tarde, mas António Costa já tem as orelhas a arder pelas mordidelas de A.J. Seguro. Este acusou aquele de passar o tempo à janela do seu gabinete na Câmara de Lisboa A dado passo terá entendido que ser presidente da Câmara não satisfazia o seu ego. E pretendia chegar ao céu. Por isso lhe passou a rasteira mais humilhante que se viu entre camaradas, nestes 40 anos de democracia. Após a vitória das Europeias, em vez de se congratular com o resultado, Costa foi tão ignóbil que nem deixou Seguro saborear uma vitória legítima, transparente e representativa.

O que se seguiu no Partido Socialista transpirou para o exterior. Foram meses atabalhoados com a preparação das primárias e da eleição mais renhida de que há memória. António Costa aliciado pela geração dos reumáticos que há em todos os partidos e que corriam perigo com a liderança Segurista, quebrou o compromisso que fizera com os eleitores da Câmara de Lisboa; e congeminou tudo o que de pior havia para unir o maior partido da oposição, legítimo candidato a todos os eleitorais. Foram meses de fervor e de furor. Compraram-se votos, ressuscitaram-se eleitores, inscreveram-se online alguns e, casos mais delicados, tiveram repercussão no país e no estrangeiro, fecundando ódios, zangas, saneamentos, dentro e fora do PS.

Costa venceu, mas não convenceu. António José Seguro, demonstrou ser íntegro, sério e coerente. Retirou-se sem se vergar e passou a militante de base. Ao contrário de A. Costa que anda farto de dizer que «palavra dada é palavra honrada». Trocou a janela da Câmara de Lisboa, pelo pomposo título de «Primeiro ministro de Portugal». Mas tem vindo a pagar, com língua de palmo, a tremenda ingratidão, deslealdade e falta de ética que revelou com essa sua insaciável vontade de ser o maior.

Nas eleições autárquicas teve uma estrondosa derrota na Madeira. No continente fez com que em diversas Câmaras do país houvesse «saneamentos» dos Seguristas, como Cabeceiras de Basto, Fafe, Braga e por aí adiante. Não satisfeito com o divisionismo que partiu o PS a meio, voltou a sentir-se a sua perseguição na elaboração das listas para a Assembleia da República.

Foi notória a perseguição, mesmo a figuras de proa que haviam brilhado no Parlamento, caso de Miguel Laranjeiro que fora o primeiro por Braga e que nunca mais se viu ou ouviu. Cito-o pela amizade e respeito que tenho por ele, pois foi com ele e com Bento Rocha que criámos a Radio Santiago (de Guimarães).

Vejam-se o Expresso de 20-7-2015, ou a Renascença de 30-11-2014. Revejam as redes sociais.

Como se este embaraço não bastasse, a imprensa nacional, vendo que o «bombeiro voluntário do PS», não dava o litro, começou a ser questionado por «Costa não ter pago a contribuição autárquica quando era ministro da Justiça» (1999- 2002). Costa negou. Mas logo veio à ribalta um artigo do Tal & Qual num registo do Facebook de Carlos Sá Carneiro.

O Público de 20-2-2015, veio a terreiro acusar Costa de, na qualidade de Presidente da Câmara de Lisboa, aprovar 3 milhões de euros para uma nova mesquita muçulmana, a construir na Mouraria. Também nunca foi esclarecido o caso que o jornalista José António Cerejo noticiou no Público sobre «a Casa do Presidente em que o autarca viveu no seu primeiro mandato e que havia sido restaurada para unidade hoteleira, em Monsanto. Outra decisão que nunca foi clarificada tem a ver com subsídios bizarros que Costa atribuiu à famigerada Fundação Mário Soares. As redes sociais escreveram que essa «quinta» de Soares recebeu 3.400 milhões dos governos de 2008 a 2012 e isenções fiscais de 268 mil euros da Câmara Municipal de Lisboa. Pior ainda: nessa mesma fonte se afirma que «A Fundação Mário Soares recebeu de Ricardo Salgado (do BES) 570 mil. E auferiu de Sócrates 600 mil euros, totalizando 3.400 milhões do governo PS». Os lesados acusam o governo. Mas conviria que mandassem averiguar que políticos «mamaram» do BES e de Ricardo Salgado!

O que Costa fez de diferente foi um conclave com alguns economistas, seus amigos, que debitaram para um documento político números que, aplicados à realidade nacional, não tiveram outro efeito que não fosse entregar ao candidato socialista, meia resma de papel timbrado que vai engrossar as debilidades do candidato impreparado, sem garra, sem discurso, sem carisma e sem alma que levante Portugal do fosso em que os seus pares o atolaram. As sondagens afirmam isso.

Ora diz, ora desdiz, ora amaldiçoa ora absolve, ora elogia ora condena. Fez isso a Seguro, fez isso aos Seguristas, fez isso a Manuela Ferreira Leite. Fará isso àqueles que no futuro não se verguem à sua insaciável vaidade de ficar na História. Só neste arranque final quem o não conhecia reparou que António Costa não tem perfil para empolgar multidões, para se impor nos areópagos europeus, para honrar a Pátria que lhe paga. Quem, em 2011, apelava à oposição para viabilizar o orçamento socialista e vem, agora, dizer no debate decisivo que não viabilizará o orçamento da Coligação se   se ele perder as eleições, não tem alma Portuguesa. É nestas alturas que se mede o verdadeiro nacionalismo. Como ninguém pode dar aquilo que não tem, António Costa deverá ajoelhar-se perante António José Seguro, pedir-lhe desculpa e entregar-lhe o Secretariado que ganhara em ato legítimo de que foi destituído rocambolescamente. De qualquer maneira que ganhe o melhor!",

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:43


1 comentário

De Anónimo a 26.09.2015 às 15:59

...__ E," Roma não paga a traidores..."

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D