Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Planalto Central Angolano!

por aquimetem, em 26.11.09

 

           Com pena deixo por ver muito do que de belo e notável a cidade do Huambo e arredores tem para mostrar aos apreciadores das paisagens fortes do Continente Africano, o Morro do Moco que é o ponto mais alto de Angola, com 2.619m, e se encontra a sul do Londuimbale, está nessa conta. Também o Morro de Santo António do Bailundo, onde fica o Túmulo do rei Ekuikui, fiquei sem visitar; e o mesmo sucedeu em relação às Ruinas  da Embala  Grande; do Túnel subterrâneo, onde se abrigou o soba (chefe) Candumbo; a Ilha dos Amores, ou a Reserva Florestal  do Kavongue, com os seus 39km2 de área,  me passaram ao lado. É tudo muito grande, para se poder ver em tão pouco tempo.

          Do que vi, e só disso, dei conta em posts anteriores e, em homenagem à antiga Nova Lisboa, faço questão em  realçar que de facto o Huambo com seus jardins e viveiros, sua zona floestal e seus campos de cultura floridos mostram a diversidede da flora local, onde sobressai as dálias que dizem, destas, existir ali mais de 500 variedades.  

           A tarde do dia 8 foi para dar uma volta pela cidade e ir ao supermercado onde no primeiro dia que cheguei ao Planalto Central as minhas madames se foram aviar. Depois, jantar e cama, que no dia seguinte, por volta das 06h00 há que avançar para o aeroporto. 

           Aqui o "dragão" Miguel com um vermelho-cinzeto para tentar disfarçar, a deixar-se fotografar antes de se comprometer a nos ajudar a conduzir ao aeroporto na manhã cedinho da partida, dia 9. A porta é conhecida pois já por mais que uma vez a foquei.

         Em frente, a  residência de um graduado superior da Policia, parecendo que não, dá outra segurança aos vizinhos e habitantes de uma cidade em recuperação dos estragos de que uma guerra fraticida provocou. E claro,as consequências são a miséria e a desordem social! Todos conhecidos, os  moradores formam uma  família de vizinhos que se respeitam e protegem.

           Chegou a manhã do dia 9, às 05h30 há que levantar tomar  uma banhoca, um cafe caseiro e com a preciosa ajuda do Miguel arrancar  para o aeroporto Albano Machado, que  fica a cerca de uns 3,5km do centro da cidade, pertinho.

           No aeroporto deu tempo para subir ao primeiro andar, e no restaurante tomar um cafezinho de máquina  enquanto se aguadava que o avião da TAAG que vinha de Luanda chegasse e de regresso, por volta das 08h00 (07h00, portugusesas ), me transportasse à capital de Angola.

      Agora sim, foi o adeus definitivo a uma região cujo clima é muito semelhante ao do  território continental português e por isso se tivesse de  viver em Africa seria no  Planalto Central Angolano!  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:18


8 comentários

De jts a 27.11.2009 às 15:43

Meu caro "Costa Pereira", mais uma vez nos presenteou com uma série de lindas fotografias do "Planalto Central de Angola", a actual região do Huambo, outrora Sá da Bandeira.
Muita gente de Mondim, viveu no passado nessa região.A família Pires ou melhor, o filho do senhor Joé Pires, que ainda tem a sua casa junto à Santa Casa de Misericórdia, viveiu aí atè ao 25 de Abril de 1 974. Conta maravilhas dessa terra. Mas, há um Mondinense, que foi aí o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Sá da Bandeira.
É assim: até 1 949, o senhor Carlos Augusto Pinto Coelho de Mendonça - irmão do Eng.º Alfredo Mendonça, que até há poucos dias foi o Vice-Presidente da Cãmara Muinicipal - foi o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Mondim de Basto. Em 1 950 emigrou para Angola, para a cidade de Sá da Bandeira, onde o sogro possuia grande fortuna.
Obviamente que foi trabalhar para os escritórios centrais da maior firma da cidade, de que era como disse proprietário, o seu sogro. A firma chamava-se: Guimarães e Sobrinho, L.da.
O bichinho dos Bombeiros, que tinha iniciado em Mondim, fez com que, com a ajuda da firma, criasse a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Sá da Bandeira.
Posso afirmar que a iniciativa, teve um êxito estrondoso na época. Homem disciplinado, fez da sua Corporação de Bombeiros, uma instituição do mais elevado mérito.
A inauguração do quartel - cujas fotos eu aqui tenho, que ele me fez o favor de oferecer - teve a presença do Governador de Angola, que se deslocou de Luanda propositadfamente, para presidir à inauguração. O senhor Comandante Carlos Mendonça, vive actualmente na cidade do Porto, mas como tem uma casa em Mondim, vem até cá quase todas as semanas. Mas, há mais: o seu filho mais velho, Eng.º Mendonça, é co-proprietário de uma série de empresas a laborar por toda a Angola, com destaque para a cidade de Lunda onde reside e tem os seus escritórios centrais. Como o seu Pai, é uma joia de pessoa. Está em Mondim, onde passa alguns dias de férias, três a quatro vezes por ano.
Como vê meu caro amigo, a nossa terra está ,esteve e vai continuar a estar ligada a Angola, atravez dessa região, que dizem ser muita linda: as terras do Huambo.
Um braça.
Teixeira da Silva.

De jts a 27.11.2009 às 15:50

Oh meu amigo, ou são os dedos que tremem ou é a vista que falha, pois os erros e letras trocadas são demais...! Valha-nos Deus...! O computador é que não tem culpa.
As minhas desculpas.
Teixeira da Silva

De Iordanes Claro da Mota a 27.11.2009 às 20:03

O amigo Teixeira esta enganado!
Huambo nao e a antiga Sa da Bandeira.
Huambo e a antiga (para os portugueses) Nova Lisboa. E Nova Lisboa so conta como "antiga" para os portugueses que por abuso de autoridade e sem consultar o povo autoctene, resolveram "rebatizar" de Nova Lisboa. Os donos da terra nunca a reconheceram com esse falso nome.
Eu vivi em Caluquembe, Distrito (actual Provincia) da
Huila, estudei em "Nova Lisboa" e sei muito bem que
o povo autoctene quando dizia " Ndenda ko Huambo", estava simplesmente a dizer: Vou para Nova Lisboa!
A tal cidade das industrias do Venancio Guimaraes Sobrinho, especialmente a Moagem para onde o meu pai, senhor Luiz Jose Claro da Mota, transportou milhares de toneladas de milho a partir de Caluquembe, essa cidade, dizia eu, e a cidade do LUBANGO, a tal "antiga" Sa da Bandeira, a cidade do
Espinha e Filhos e da Simpor, a cidade do "picadeiro", a rua das lojas de moda.

De aquimetem a 28.11.2009 às 13:10

Um abraço para ambos os comentadores. Errar é próprio do homem, só que o Teixeira da Silva, não se enganou, apenas confundiu Lubango (Sá da Bandeira) com Huambo (Nova Lisboa) por isso vai de relatar o que sabe da capital da província do Huíla, como que sendo o Huambo, capital da província do mesmo nome. Mas o esclarecimento de Lordanes Claro da Mota não é despropositado. Um bem haja para ambos. Da discussão nasce a luz.

De Iordanes Claro da Mota a 29.11.2009 às 00:58

Oi, amigos!
Apenas para fazer notar que nao me chamo LORDANES.
O meu nome e IORDANES.
Sou o unico portugues com esse nome de origem GREGA.
Nomes parecidos com o meu sao Yordanov e Yordanescu (russos) e Jordan (ingles).
Ja agora, na antiga Sa da Bandeira e na "Rua do Picadeiro", as pastelarias, ponto de paragem obrigatorio, eram a Tirol e a Florida. Para nos enfardarmos com os pasteis de nata e as bolas de
Berlim. Agora, come-se queques que se tivermos o
azar de um nos cair no pe, ficamos com um dedo
esmagado. Ha! ha! ha!

De aquimetem a 29.11.2009 às 11:43

Desculpe. Na minha terra, dizia-se: Antes quero que me chamem "tó zé" do que me trocarem o nome. Mas não foi por mal e até acabou por ser proveitoso pois ficamos a saber algo mais à volta de Sá da Bandeira e também sobre um nome próprio como I0RDANES . Muito obrigado e grato pela visita.

De jts a 30.11.2009 às 22:08

Os meus agradecimentos e as minhas desculpas ao amigo "IORDANES" pela correcção. Obviamnente que reconheço o erro, ao confundir Nova Lisboa com Sá da Bandeira. Mas, isso é próprio de quem esteve em África, que não Angola. Estive em 1 961 na Guiné Bissau e daí, conheço alguma coisa.
"Herrare humanus est".
O meu erro, contribuiu para ganharmos mais um amigo e quem sabe, mais um companheiro nestas caminhadas bloguistas.
Porque esteve e viveu em Angola, terá por certo muitas histórias para contar.
Os meus sinceros agradecimentos.
Para o Costa Pereira, aquele abraço.
Teixeira da Silva


De jts a 30.11.2009 às 22:15


" IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CABO"

Sobre este tema, vou enviar-lhe um trabalho, onde mais uma vez Mondim, a nossa terra, demonstra ter tido sempre ao longo dos séculos, gente de elevadíssimo valor.
Sabia que um dos fundadores dessa Igreja era natural de Mondim de Basto?
Brevemente saberá tudo.
Um abraço.
Teixeira da Silva.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D