Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




No Bongo

por aquimetem, em 22.05.09

 

 

          O Bongo é uma aldeia da comuna de Lépi no município de Longonjo que dista 64km. da cidade do Huambo. O nome do Bongo é proveniente do Bailundo. Quando o governo português começou a estender o seu domínio a todo o espaço angolano, as autoridades tradicionais da região do  Bailundo que ao tempo não aceitaram o domínio estrangeiro, abandonaram o Bailundo para se espalharam pelo planalto central, e assim viver em paz e segurança.   

          No Bongo fixou-se um desses membros derivados da soberana élite,  o rei Bongo Chimbangala,  que pese  o seu mau habito alimentar - era antropófago - foi o fundador do sabado do Bongo, diz a lenda.  

          Mas vamos á reportagem! Do "desvio" até ao Bongo são 7km., com uma estrada mais ou menos razoável e que mostra bem ter sido feita só para servir a Missão.

 

            Fim do asfalto

 

          Acabado o asfalto deu-se entrada na cerca que compreende a Missão e cujo troço à direita conduz até ao centro, enquanto o troço à esquerda prossegue em direcção a Sandombo, numa distância de mais 12km. em picada.

 

          Aqui se vê bem a placa que assinalava o famoso Hospital Instituto do Bongo

 

 

          Uma das entradas para a cerca da  missão

 

           Na cerca - Templo de culto destinado aos brancos

           Ruínas do hospital

           Templo que se destinava só aos negros

           Crianças do Bongo, em liberdade e bondade

        Restos da Missão

           Peças arqueológicas da Missão

 

          Local de reunião e actos festivos, que eu primeiro supus ser um estaleiro de madeira abandonado.

           O  respectivo palco

           Em África o que não é nosso apodrece onde ficou...Este carro é prova disso.

            Mas se não há quem trabalhe a terra, aqui temos as formigas a fazê-lo.

           Uma das casas da Missão com arquitectura europeia

           O capim crescendo

           A alameda que dá acesso ao escritório do projecto contra a doença de Newcastle, que tem por objectivo  ensinar a proteger as galinhas dessa moléstia.

           O edifício em  causa

           Os galinheiros modelo que o projecto aconselha.

           Aqui perdido no sertão, em vez de encostado à bananeira foi antes à papaia...

           E como manda a regra da boa educação e respeito para com as autoridades tradicionais uma vez no Bongo há que visitar o respectivo soba da Missão, o soba  Filipe que fez o favor de se deixar fotografar ladeado por mim e minha mulher, e claro um segurança gigante

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:51


7 comentários

De mg a 25.05.2009 às 08:56

Olá!-Mais uma explicita reportagem.Dá pena imaginar a vida e actividade que se adivinhava aqui.Que me diz desta Missão,já nada está em a funcionamento?-Este tractor ,ou seja o seu esqueleto, era uma grande máquina.
Na sua opinião,isto tudo vai retomar o caminho com o tempo?
Gostamos de ver aqui a sua esposa ; estão muito bem ,aqui no meia deste verde todo, verde ,que este sim ,será ainda o mesmo de antigamente...
Parabens!,,,E o tal livrinho acerca,,,?Ficamos à espera.

De aquimetem a 27.05.2009 às 12:46

É natural que com o decorrer dos anos o progresso volte ali, mas para já creio que não. Deve haver outras prioridades para os governantes do que cuidar das aldeias. Não sei.
A missão em causa não é Católica é Adventista do Sétimo Dia. Quando vim embora estavam a chegar lá trabalhadores chineses que vão recuperar algumas instalações do missão, mas duvido que o hospital seja para funcionar como tal. Deve ser apenas para marcarem direito de posse e entretanto instalar ali membros da missão, ao mesmo tempo sacudir das habitações os ocupantes ilegais . Do livriho já dei o meu parecer...Um abraço

De paula a 21.01.2010 às 16:28

Eu nasci nessa missao!!!!!

De aquimetem a 21.01.2010 às 17:25

Nasceu num lugar de sonho e magia que a guerra entre irmãos transformou numa aldeia fantasma. Mesmo assim gostei de lá ter vivido um mês aproximadamente. Os habitantes são bons, pena é não terem quem os governe....e ajude a saírem do caos económico em que vivem. E a terra que é tão rica!!!! Um abraço e parabéns pela terra em que nasceu.

De Raquel Caetano a 17.03.2011 às 19:42

Tal como a Paula, também eu nasci nesta missão adventista do Bongo, às mãos do dr Roy Parsons! É emocionante ver isto 37 anos depois!! :o)

De aquimetem a 17.03.2011 às 20:15

Obrigado pela visita . Sim eu não conhecia Angola, mas pelos motivos arqueológicos.... que vi, acho que os portugueses ainda se podem orgulhar da obra que deixaram feita. Se os nativos a destruiram é com eles. Mas faz dó. E aquele povo tão simples e tão humilde! Não tenho motivos, mas não me importava de lá voltar. Um abraço

De ernesto santos a 24.12.2016 às 21:23

Conheci bem o hospital do Bongo onde fui operado a garganta por um medico brasileiro chamado Roberto

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D