Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




sem trabalho, não há progresso.

por aquimetem, em 14.04.08

Casa do caseiro junto ao portão.

          Mais uma vez vim gozar dos encantos da paisagem alentejana com que em concreto o Criador dotou aqui a terra de São João de Deus: Montemor-o-Novo.

          Integrado num grupo de pessoas que como eu costumam de tempos a tempos dar um pouco de repouso ao corpo e ao espírito o alimento apropriado de que ele carece para  não embrutecer, permaneci durante três dias no Centro de Convívios Almansor. 

Pomar da quinta e  Centro de Convívios

          Nesta altura do ano o Alentejo tem uma beleza especial, bem diferente daquela que no pino do Verão lhe cresta a paisagem e a transforma na cor do ouro. Dá gosto, na Primavera, percorrer toda esta extensa planura que já foi o celeiro de Portugal e ver as constantes metamorfoses que rapidamente se dão em todos os sectores da paisagem rural alentejana, tornando-a semelhante ou ainda mais atraente que  qualquer outra das nossas regiões.

Vinha da quinta

          Além da beleza paisagística, o Alentejo continua a ser uma das regiões mais ricas de País, assim cuide das terras quem as tem e  sabe fazê-las produzir.  Não só como celeiro, a região presta-se, como as melhores, para vinha, olival e pomar.       

Faval da quinta

          Assim, não se pense que o Alentejo apenas serve para semear trigo, criar gado e produzir cortiça. Tudo isso e muito mais do que isso!  Vinho com tanta qualidade como o do Douro ou das Beiras cultiva-se ali,  e em relação a outros produtos como frutas, hortas  e azeite, sucede o mesmo.

Terreno de semeadura   virado ao Castelo

          Sem disponibilidade para nesta deslocação me deliciar a percorrer numa extensão maior o que de belo e rico tem para mostrar o solo alentejano, sirvo-me da mostra que em resumo a  quinta, muito bem cuidada, dá nesta ocasião da sedutora imagem dum Alentejo primaveril.

NS de Quito

          Aqui com a vantagem de nos curtos passeios pela quinta poder também encontrar além dos jardins, das hortas, dos pomares, da vinha e da mata, sítios reservados para peças de arte muito valiosas como esta de Nossa Senhora de Quito cuja história, muito resumida, consta em moldura ao lado.

Moldura com a história da imagem de   NS de Quito e da

oferta que dela fez  ao Centro de Convívios Almansor, o actual

Prelado do Opus Dei.

          Entrei com sol, no pátio da quinta, no dia 10,  e saí pelo mesmo portão,  no dia 13,  com chuva, que neste tempo é ouro para todos os lavradores, mas sobretudo para os alentejanos que no Verão carecem dela.  

Chuva por rara, aqui é ouro das quintas e montes alentejanos

          Pela Rua Horta das Almas regressei ao normal da vida corrente, mas com as baterias agora mais carregadas, vamos a ver por quanto tempo... Fora e junto aos muros do Almansor, este empreendimento urbanístico, prova de um Montemor-o-Novo que não quer envelhecer. Mas para isso convém não pensar como certo  barbeiro lá do burgo que quando lhe disseram que com instalação do Centro de Convívios a terra ia ter mais movimento de pessoas, e provavelmente mais clientes, foi dizendo que deixassem a terra em paz, pois trabalho já ele tinha  que chegasse.  São formas de ver e  pensar, mas sem trabalho não há progresso. 

 Empreendimento urbanístico da Horta das Almas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:09


6 comentários

De touaqui42 a 14.04.2008 às 13:14

Conheço Montemor-Novo de passagem.
Não conhecia estas belezas de paisagens.
Essa do barbeiro é tipico das historias dos alentejanos.
É pena, a VIDA não pára.
Gostei do FAVAL, gosto imenso de favas com aquela morcela (de lamber os dedos).
Ora ainda bem que veio com as baterias carregádas, sinal que descansou e aproveitou bem o descanso.

De aquimetem a 14.04.2008 às 20:24

Viajado como é era impossível não conhecer esta acolhedora terra alentejana. Também é natural que desconheça as perspectivas da paisagem com com ilustro o meu post, pois foram recolhidas dentro da quinta que não é pública, mas pode ser visitada, assim creio. Quanto a favas somos semelhantes, e sem sangue de cavalo....
É verdade, descansei e vou tentar manter equilibrada a energia das baterias, que fui carregar. Um abraço.

De touaqui42 a 15.04.2008 às 12:46

Era obrigação passar a Montemor aquando tinha que me deslocar a EVORA, tanto vindo de Lisboa como de Santarém.
Não, não conheço essa quinta maravilhosa que aliás revejo nas suas belissimas fotos.
Ainda bem que descansou e carregou as baterias.

De guiga a 15.04.2008 às 15:13

Tão lindo que é o nosso Portugal!
*.*

De Jofre Alves a 19.04.2008 às 20:07

Umtexto interessante que começa logo no bem cuidado título, feliz e bem conseguido. Boa semana.

De Pedro Morgado a 02.05.2008 às 00:56

"Sem trabalho não há progresso!" é um lema cada vez mais esquecido... infelizmente.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D