Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




sabe reconhecer

por aquimetem, em 11.02.08

          Acerca de cinquenta anos o aspecto paisagístico da vila de Mondim era mais ou menos este que se vê na foto: do Barrio até ao fundo da Serra, as habitações instalam-se do lado esquerdo da  rua principal da vila, enquanto a margem direita se mantém fiel à rusticidade típica duma região tradicionalmente agrícola.

Mondim dos meados de Séc. XX

          Os tempos mudaram, e hoje o terreno  onde se cultivava milho, bom vinho e fruta em abundância  foi, em boa hora, transformado em jardim, arruamentos  e blocos de cimento armado. Não contesto apenas na qualidade de adversário das "pedreiras" lamento que pelo  menos em vez da nossa pedra ir embelezar terras distantes  alguma dela não dê  brilho e encanto às ruas  de uma vila em franco desenvolvimento.

O que era campo, transformou-se agora em jardim

          Durante muitos anos um vulgar e insignificante município rural quase ignorado  no interior de terras de Riba-Tâmega ou de Santa Senhorinha, nestas últimas décadas Mondim de Basto deu o salto de qualidade que nunca tinha conseguido para hoje se tornar numa das vilas  e dos concelhos mais notáveis de entre Douro e Minho. Tudo graças ao dinamismo das forças vivas do concelho, sobretudo da vila e freguesia de São Cristóvão de Mondim que não perdem oportunidade para promoverem eventos que se prestem a dar da sede de concelho a melhor imagem e assim captar dividendos socioeconómicos para todos os mondinenses.

           Mais um desses eventos começou há pouco a ser forjado para se mostrar obra feita  e sedutora no lapso que vai entre 19 e 23 de Abril próximo. Aqui a iniciativa deve-se a Junta de Freguesia de Mondim de Basto, com a colaboração da Câmara Municipal e dos Bombeiros Voluntários de Mondim de Basto, e o apoio do Agrupamento de Escolas, Mondim  Cor artes gráficas, Romarigues , Rádios Locais, Jornais Locais e Água Hotels Mondim. O tema em cena dá pelo nome : "Contar, Cantar e Pintar Mondim" . Pretende ser uma jornada de homenagem, promoção e divulgação de todos os criadores naturais  deste concelho. Na lista dos expositores constam  autores como Mons . Ângelo Minhava , o poeta Luis Jales de Oliveira, o escultor Domingos de Oliveira e o colunista José Teixeira da Silva, figuras a quem muito deve Mondim de Basto. Mas a par destes outros nomes mondinenses ou não amigos da terra  vão ser recordados no decorrer do evento, como o Dr. Eduardo Teixeira Lopes, Dr. Borges de Castro e Dr. Primo Casal Pelayo, este sem sombra de dúvida o mais notável historiador que primeiro se ocupou em conhecer a verdade histórica do concelho de Mondim de Basto e em particular da ermida do Monte Farinha. Além disso abriu as portas aos futuros historiadores, dando as fontes e as pistas de pesquisa que antes de 1968 eram desconhecidas dos estudiosos. Por isso os meus parabéns à organização deste evento porque  além do mais sabe reconhecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:34


7 comentários

De jts a 11.02.2008 às 19:49

Oh meu grande amigo, eu pessoalmente não mereço os elogios, mas o "evento cultural", obviamente que agradece as suas lindas palavras. Nem outra coisa seria de esperar de um Mondinense de coração tão grande, como o "Costa Pereira". Todos esperamos um verdadeiro êxito, na empreitada em que nos envolvemos. Até aqui, tudo a correr muito bem. Sobre o seu comentário da nossa vila de há cinquenta anos, gostaria de lhe dizer, que concordo a cem por cento consigo. É inadmissível , que na pátria da pedra, se construa quase só com cimento. Se os nossos ancestrais, que fizeram os "Jerónimos", o "Mosteiro da Batalha" ou os conventos de "Alcobaça" e "Mafra", pudessem cá estar, morreriam de desgosto, com o desaproveitamento das riquíssimas matérias primas que possuímos . Agora, quando o meu amigo diz: Mondim de Basto, terra de Santa Senhorinha, dou-lhe daqui, os meus parabéns pelo modo e convicção com que o afirma. Não tenha receio de afirmar, seja lá onde for, meu amigo. Mondim de Basto ou melhor, o nosso Município, é de certo "Terra de Santa Senhorinha". Como alguns historiadores afirmam, Ela está sepultada no mosteiro que tem o seu nome, na freguesia de Santa Senhorinha de Basto, no concelho de Cabeceiras de Basto, e que terá nascido em Mosteiro, no concelho de Vieira do Minho. Como sou um coca-bichinho nestas coisas da nossa história, pus as mãos ao caminho e comecei há cerca de cinco anos a investigar a origem da Santa Senhorinha. E na realidade, a escuridão é enorme . Há quem afirme, que terá nascido em Atei e ainda hoje existe naquela freguesia do nosso concelho uma antiga fonte com esse nome, o que poderá confirmar - e a voz do povo é a voz de Deus - a possibilidade de Ela ali ter nascido. Este e outros assuntos desta envergadura histórica não cabem obviamente , nas linhas dos nossos blogs. Até um dia destes meu caro e mais uma vez o meu agradecimento pelas suas palavras amigas.
Teixeira da Silva

De aquimetem a 11.02.2008 às 21:09

Meu caro, se eu entendesse que não merecia o realce que dei ao nome do meu conceituado conterrâneo garanto que não lho dava. Procurei sempre ser homem de sim, sim; não, não. Graixa nunca dei e tenho asca a quem a dá para retirar proveitos e captar popularidade. A amisade é um tesouro que Deus nos concedeu e por isso se não deve defraudar com mentira. Antes do meu amigo ter publicado um artigo que vi sobre Santa Senhorinha tinha eu muito antes feito outro à volta do mesmo tema. Creio que pelos anos 90 ou 92, não me lembro, o que sei é que me deu muito trabalho a pesquisa que fiz. Mas eu estou como dizia o nosso Guerra Junqueiro "triste ou alegre que interessa o dia de ontem ? É um cadáver, morreu". Um abraço

De Gisela Santos a 20.06.2008 às 12:45

Bom dia Sr.JTS,e envio daqui a minha admiração ao sr.Aquimetem, por pôe em todo o lado fotos da minha Sra. da Graça e de Mondim;mas venho pedir-lhes agora uma coisa muito importante:-Divulguem as obras (Poemas e Prosas) do Poeta Nelson Vilela!!!
Por favor, entrem adentro dos livros SEMPRE EM CAMINHO- e sintam o que sente um homem do norte, O SAL E AS LÀGRIMAS com oa avisoa de Fernando Pesso e ao lado os comentários do Poeta, acerca do Portugal de hoje,Os contos de ENTRE URGUEIRAS E CARQUEIJA,passagens que já todos nós vivemos,e dão uma s boas risadas como eu dei, encantada,o LIVRO DAS HORAS que até tras Poema á Sra da Graça, e muitos outros mais.Só assim fica completa aquela tal Homenagem ao Professor , Escritor e Poeta que levou a cultura a Mondim ´já muito anos passados, fundando o Exter.Nsa.Sra.Graça,Mondim nunca mais voltou a ser o que era dantes,Mondim que ele considera sempre a sua segunda terra.Por favor srJTS e Sr Aquimetem,Gosto muito de chegar ao vosso blog e ver o meu Monte adorado. Abraço e saúde para os Senhores.Não me ignorem, vão entrar nos livros,não se vão arrepender.

De touaqui42 a 19.02.2008 às 00:01

Não conheço Mondim de Bastos.
Aliás passo ao lado.
Mas é pena hoje aquela AGRICULTURA de outroura não existir.
Mas preferem vender terrenos para BETÃO.
Uma pena.

De aquimetem a 19.02.2008 às 13:06

Ó meu caro! Tudo menos dizer que não conhece Mondim de Basto. Passar na Gandarela, ver à nossa direita aquela pirâmide que nem os egípcios tem, e passar ao lado, já é tempo de acabar. Passe por lá entre 19 e 23 de Abril que até pode calhar de nos encontrarmos e assim quebrar o enguiço...Um abração

De touaqui42 a 20.02.2008 às 10:09

Passo ao lado.
Não iria dizer que conheço se não conheço.
Aliás, esta lingua por vezes me deixa á rasca.
Digo o que penso, sem olhar.
Por esse motivo muitas vezes me deixou á rasca com a malta GRANDE.
Aliás sou apelidádo de REACCIONÁRIO, apesar do meu bigode branco e cabelo preto.
Já no antigamente esta lingua me deixou mesmo aflito com as DEIXAS, primeiro com a DGS e segundo com a FRELIMO.
Mas, hoje em dia se prova que o POVO continua pagando os desvaneios dos GOVERNOS.
Não sou VERMELHO , sou BENFIQUISTA desde os velhos tempos.
Meu pai era o Socio nº. duzentos e tal e joguei futebol no velhinho estádio de madeira CAMPOGRANDE, campo de gravinha e aonde não podiamos fazer as fitas de se mandar para o chão, porra que ai doia.
Quanto á data indicáda vamos ver, mas a espiga é no dia 1 de Maio e tenho um almoço na Ericeira.
um ab

De Gisela Santos a 20.06.2008 às 17:19

Sr.Touaqui42!! _O sr. Aquimetem tem montes de razão!Só quando for a Mondim é que é verdadeiramente feliz,e se sentirá completo.Olhe: Um cibo de terra roubado
A um mar de pinheiros sem fim
Um monte e os rios ao lado
E no meio- Mondim!

Depois suba á Sra da Graça e olhe á sua volta,vai sentir-se dono do mundo.
Quando tiver fome , tem por todo o lado presunto cortado a faca, vitela assada da genuina, vinho verde tinto, e cavacas fofas para sobremesa, por todo lado.Já o convenci?- Porque espera?
Apeteceu-me mesmo meter a colherada.Boa estadia!....

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D