Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O centenário de Torga

por aquimetem, em 11.07.07

 

Miguiel Torga

(1907 - 1995)

                  Não fora o alerta que o  distinto colaborador de A Voz do Domingo, José Travassos Santos, no passado dia 8, deixou exarado em coluna que com o titulo "Apontamentos" alimenta no conceituado semanário leiriense, que  pela certa  também eu ia ser um daqueles  que deixava passar em branco o centenário do nascimento do meu ilustre comprovinciano, Dr. Adolfo Correia Rocha,  conhecido mundialmente por Miguel Torga.

                 Conheci-o pessoalmente numa das visitas que em tempo de caça fez à montanha vizinha da terra  que me viu nascer, quando por lá paroquiava o padre José Real, seu amigo e conterrâneo. Mas não vou perder-me com detalhes à volta deste notável cidadão do mundo, antes  transcrever alguns excertos do que  Travassos Santos com muito sentido de oportunidade realçou: < EM 12 DE AGOSTO deveria ser festa nacional a comemoração do centenário de Miguel Torga, mas tem estado tudo tão calado que não me parece que a nação se envolva com um mínimo de entusiasmo na celebração de seu maior homem de Letras da segunda metade do século XX. Do Estado, então, não é de esperar nada. Demais, Miguel Torga, cuja espantosa lucidez e cujas independência e coragem o fizeram ver claro e proclamar alto verdades incómodas, estará longe de agradar à república senatorial e aos seus próceres.

              Pena é que o Povo esteja tão apático civicamente, alias tudo tem sido feito para que ele assim esteja, que se torna quase impossivel interessà-lo seja no que for para além das  futilidades largamente divulgadas e divinizadas pelos grandes meios da Comunicação Social >. 

              O resto que sejam os visitantes deste  post a retirar as elações que entender.

              Miguel Torga, nasceu em São Martinho de Anta (Sabrosa), a 12 de Agosto de 1907, e faleceu em Coimbra, a 17 de Janeiro de 1995. Está sepultado no cemitério da sua terra natal, ao lado dos pais e de sua irmã.

              Foi seminarista, em Lamego, até aos 13 anos; depois abandonou e embarcou para o Brasil, onde trabalhou para um seu tio materno. Também passados uns 5 anos, regressou a Portugal, onde entretanto fez o curso dos liceus, para a seguir se matricular na Faculdade de Medicina de Coimbra.

             Concluido o curso em 1933, nessa mesma  "cidade dos doutores" se fixou  com consultório de otorrinolaringologia até ao resto da vida; e ali escreveu e publicou a quase totalidade da sua extensa e fucunda obra literária.

           Já que o Estado não está disponível para honrar a memória dos seus filhos ilustres, sejam as terras que por qualquer circunstância lhes devem gratidão, a fazê-lo. E em relaçãa a Miguel Torga, que seja sem demora, pois o dia 12 de Agosto está próximo, e nessa data acontece este ano, o centenário do nascimento  deste gigante da poesia e da portugalidade !

Casa onde habitualmente Miguel Torga se refugiava

para vir descansar e matar saudades da terra-berço.

Miradouro de São Leonardo de Galafura (Peso da Régua),

local  que  o autor de Os Bichos tanto admirava.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:20


4 comentários

De oserrano a 11.07.2007 às 13:37

Caro Senhor e pelos vistos, usando como referência a anotação que fez a uma terra vizinha paroquiada pelo sr. Padre Real, caro conterrâneo.
O parafraseado de Travassos Santos, está muito feliz. Infelizmente, vejo mais atenção e até reverência ao Poeta de terras de bem longe que aquelas que estão por perto.E, ele só pedia que o lessem!
Vejo que, neste momento parece haver uma outra dinâmica para o perpectuar. O cego dizia: " a ver vamos..." Eu espero
Congratulo-me com a sua actitude e por isso o felicito.
Os meus melhores cumprimentos
Sol.Sapo.pt/Blogs/Oserrano/default.aspx

De aquimetem a 11.07.2007 às 14:24

Grato pela visita e um fraternal abração de transmontano de Basto, residente em Lisboa e por casamento afecto a Leiria. Já fui visitá-lo ao cantinho que vai passar a receber com frequência a minha visita. Quanto ao nosso Torga, vamos a ver como Portugal se vai comportar com ele, mas o tempo é pouco e calor... não é muito. Aguardamos.

De oserrano a 11.07.2007 às 14:51

Sabe, caro amigo, a vida é o que dela quisermos fazer.
O exemplo tem que vir daqueles que o podem fazer,
e tembém daqueles que, pelos mais diveros motivos...não deixam que se faça algo!
Esperemos então.
Foi um gosto.
Um abraço e a certeza que será um Blogue que seguirei com curiosidade e respeito.

De Arte por um Canudo a 12.07.2007 às 01:48

Pelo menos fica o alerta aos nossos governantes da justa homenagem que deviam fazer.Bela homenagem e aqui presto também as minhas saudações.Um abraço

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D