Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




À volta de Sá de Miranda

por aquimetem, em 20.02.07

      Tenho uma certa admiração por Francisco H. Raposo, o autor dum trabalho monográfico que,  patrocinado  pela  Mobil, publicou na década de 80 à volta dos caminhos (estradas) de Portugal. Trata-se dum trabalho muito bem concebido que pelas imagens e suave descrição histórica do seu todo nos leva a conhecer melhor as nossas terras e gentes. 

        É pena que nestes trabalhos nem sempre o rigor histórico se faça notar, por  forma a merecerem a credibilidade e a confiança daqueles estudiosos que  procuram  a verdade contida nos factos em relato. Como  verifiquei  agora ao consultar mais uma vez  a brochura correspondente à província do MINHO, de Dezembro de 1986, que da vila de Amares diz textualmente:  "Já em Amares (sem nada que se lhe assinale de mérito) podemos ir espreitar (2km) a famosa medieva Ponte do Porto sobre um lindo trecho do Cávado e que assinala o termo do concelho. (........) Pela mesma estrada  um pouco mais à frente está o desvio ( à direita) para Caldelas. Mas  continuemos  em frente para ir espreitar na igreja de Carrazedo o modesto túmulo de Sá de Miranda que ali nasceu".

          Ora aqui temos nós uma chamada de atenção a fazer: Francisco Sá de Miranda de facto viveu na Quinta da Tapada e ali faleceu em 1558, mas segundo os seus biógrafos  nasceu em  Coimbra cerca de 1490. Portanto Sá de Miranda não é conterrâneo de Gualdim Pais, o famoso mestre da Ordem dos Templários, mas apenas um filho adoptivo de Amares, uma terra onde sempre gostei de parar quando  em tempos  ia a Rendufe de visita ao meu saudoso amigo Padre Mário César Marques. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:24


Mosteiro de Pombeiro

por aquimetem, em 10.02.07

           Visitei este tão famoso como desprezado imóvel, que se não é devia ser monumento nacional, já lá vão mais de 30 anos. O que lá me atraiu então foi  o encontrá-lo muitas vezes citado em documentos antigos relacionados com a região de Basto. Mas sofri uma desilusão quando por um estreito estradão, ladeado por vinha de enforcado, cheguei a um despovoado recinto, onde se situa o convento, e dou com um imóvel daquela envergadura em miserável decadência. As amplas instalações que foram dormitórios e salas de estudo, estavam a servir de palheiro e arrecadação de utensílios agrícolas. Apenas a parte que constitui a igreja, ainda que de cara muito suja, me pareceu não estar profanada. Não a vi por dentro porque nessa ocasião a porta estava fechada.

          Já lá voltei mais tarde! Mas isso não importa aqui. O que talvez importe  para quem desconhece é indicar a melhor forma de chegar ao local, e visitar um monumento que apesar de tudo merece a pena conhecer.  Eu indico-lhe : se está em Guimarães tome a E.N.101 em direcção a Amarante, e seguindo com atenção, antes  uns 8 km de  chegar a Felgueiras, encontra à sua direita, uma placa a indicar  Mosteiro de Pombeiro. Dele nos relata com apurado saber, o historiador F. Hipólito Raposo, assim:

          <A sua fundação, da Ordem de São Bento, é anterior à nacionalidade; por mercê de D. Fernando, pertenceu o padroado do convento aos poderosos Sousas do Prado e mais tarde ao Barão de Riba Vizela. Embora tenha sofrido grandes modificações  no século XVIII que lhe deram a traça predominante, tem ainda da remota origem a bela rosácea e o portal (de cinco arquivoltas e dez capitéis em fino trabalho de cantaria esculpida) acachapado pela pesada abóbara barroca. Absidíola com arcadas superiores de tipo lombardo. O inferior de 3 naves tem logo à entrada um curioso sarcófago do século XIII, a estátua  jacente de um cavaleiro de lança  empunhada, o conde D. Gomes de Pombeiro. 

           Na capela-mor sobressai grande imagem da Viirgem com o Menino, do século XV e dois curiosos cadeirais. O Esplendor de talha dourada e toda aquela riqueza decorativa do interior chegaram a um esttado de abandono que confrange, sobretudo no coro alto onde a talha figurada, o cadeiral, e sumptuosos órgãos estão em misarável ruína. Todas as cabeças do remate dos cadeirais foram decepadas. O Claustro (de que só existe parte) outrora decorado com azulejos azuis e brancos de molduras policromadas já só apresentam escassos vestígios desse revestimento.

         Uma pequena equipa dos Monumentos  Nacionais ali está agora (1986), corajosamente, a tentar resgatar o que com muito menos dispêndio se poderia ter salvo. É tarefa grande de mais  para tão escasso grupo, mas a boa vontade do mestre restaurador é a única coisa que nos anima um pouco antes de relutantemente, abandonarmos tão bela peça do nosso delapidado património>  - Mais palavras para quê?! Grandes governantes, os nossos!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:19


Até dá para desconfiar...

por aquimetem, em 06.02.07

          Já tinha decidido não voltar a focar o tema do aborto, mas ao  ver há momentos, na TV, o n/ primeiro Sócrates em campanha, ao lado de M. Alegre,  tão entusiasmado a defender o "sim" que ficaria de mal com a minha consciência se me rendia perante o desplante dum figurão que servindo-se da sua condição de 1º ministro dum País que foi o primeiro a abolir a pena de morte aparece agora a implantá-la, mediante a defesa e apoio à  liberalização do aborto. Causa-me dó, nojo e vergonha, pois todos sabemos que " ninguém tem o direito de decidir se um ser humano vive ou não mesmo que seja a mãe que o acolheu no seu ventre. Desde que aceitou gerar a mulher tem obrigação de proteger e defender a vida de outro ser". 

           Mas o que mais me chocou foi n/1º vir dizer que se o " Não" ganhar a  Lei vai ficar como está, pois não aceita rectificá-la. Ó senhor Eng. Sócrates, então onde está essa preocupação em proteger as mulheres que abortam de serem  presas ? Elas já se devem ter apercebido e por isso é que nas campanhas de rua se vêem mais homens  que mulheres a dar a cara. Até dá para desconfiar.....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:04


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D