Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


18150483_laqBG.jpg

Por: Barroso da Fonte;

Só dia 13 de Setembro choveu neste verão de 2016. Um verão anómalo, tórrido e com menos sombras, porque os incêndios em Portugal passaram a medir a temperatura económica, política e social. Infelizmente custou muitas vidas, de pessoas e de animais, já que na florestação é impossível contabilizar a área reduzida a cinzas. Empobreceu o país, avaliou-se a degradação social.
Para esquecer este miserabilismo aconselhamos a leitura destes livros:

Conheces SANCHO ? A académica Maria Helena Ventura é autora de 19 títulos: sete em poesia, doze em de ficção e um infantil. Alguns dos romances históricos fazem parte da colecção «A História de Portugal em Romances -900 anos de histórias», contadas pelos melhores romancistas históricos. Este volume de 368 páginas ocupa-se de D. Sancho II, bisneto de Afonso Henriques. Baseando-se numa investigação cuidada, Maria Helena Ventura descreve-nos a biografia de uma das personagens mais desconhecidas da História de Portugal. No subtítulo a romancista demonstra que os mouros guerreavam D. Sancho II. Os nobres e o clero traíam-no. E o próprio irmão lhe cobiçava o trono. Neste último romance de Maria Helena Ventura, decorre a vida de uma das figuras mais trágicas e misteriosas as História de Portugal. A história de Portugal em Romances, com o selo da Saída em emergência, começa a impor-se como modelo de sucesso. Bem anda Maria Helena Ventura que marcou um ritmo certificado para, através de uma escrita efervescente, «dar a conhecer a História de uma pequena nação que sonhou ser valente e imortal».

A Bombarda de Banastarím - seis capitães e outros mais em terras da Índia Portuguesa em meados do século XX. É este o título do mais recente livro do Tenente- General José Lopes Alves
que nasceu em Lagoas, no concelho de Valpaços (1924) e vive em Lisboa. Desde que se aposentou tem-se dedicado a obras de inegável interesse historiográfico, como: "Entre Cardos e Espinhos ao Anoitecer - regresso ao Verão Quente de 1936", com o pseudónimo de A. de Alémmontes (2002); O Preto Deitado que não estava - Moçambique, 1969 (2003) e A Morte desceu à Praia (2005). Em José Lopes Alves, encontramos duas personalidades superiores: o militar e o escritor. A primeira foi coroada pelo topo da carreira. A segunda está patente nos quatro dezenas de obras cada qual a mais importante para poder ajuizar-se um século da vida social que caracterizou o nosso país, a nossa epopeia e a comunitária.
Este militar transmontano «tem publicados diversos trabalhos de índole técnica e cultural dos âmbitos político, histórico, militar e outros, romanceados e de base histórica». Tem um curriculum militar impressionante. Desde os anos oitenta, tem produzido imensos livros da mais variada temática. A europress tem sido a sua editora de serviço. Ultrapassa já os 40 títulos em obras de índole histórica, prevalecendo em todos o domínio puramente literário. Na introdução começa o autor por dizer que foi um dos cerca de dez militares expedicionários ao Estado Português da Índia, entre 1955 e 1957, período durante o qual se incentivaram a subversão e o terrorismo, especialmente no distrito de Goa. Neste seu último livro de 346 páginas explica, como protagonista, aquilo que se viveu nessas longínquas paragens Indianas. Este volume é um documento histórico-militar de grande oportunidade, narrado por um distinto militar que aos 92 anos nos delicia com estes pedaços de História Portuguesa.

Arnaldo Moura -memórias de um padre do Povo. Maria da Assunção Anes Morais organizou, em tempo recorde, uma biografia que veio eternizar um pároco que deixou um rasto de generosidade, de bondade e de humanismo. Esse pároco chamou-se Arnaldo Alves de Moura, nas freguesia de Pinho, do concelho de Boticas. Ordenou-se em 20/9/1958 e faleceu em 28 de Março de 2015. Para entrar na memória do povo um padre, como outra qualquer pessoa não precisa de fazer milagres. Basta-lhe ser afável, dialogante e sobretudo justo. Nas 350 páginas deste livro, não se descrevem fatos e feitos façanhosos deste bondoso Padre Arnaldo Moura. Mencionam-se quase uma centena de testemunhos, das mais variadas figuras que com ele conviveram e que são comprovativos da grandeza humana deste padre que não precisou de sair do seu terrunho para merecer uma homenagem. A Câmara de Boticas e a freguesia de Pinto irmanaram vontades e conjugaram esforços para que se perpetuasse a figura irrepreensível de um cidadão que, a docente e investigadora Maria da Assunção Anes Morais condensou num livro sério, oportuno e exemplar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:39

barroso_da_fonte.jpg

Por Barroso da Fonte:
O jornalismo, como eu o conheci nos anos cinquenta, foi chão que deu uvas. Por isso cresce a corrupção, aumenta o caos e medra o compadrio. Se eu ainda tivesse a liberdade que tive no tempo da «censura» do Estado Novo, descobriria a careca a alguns camafeus que entraram na política com as calças na mão e, sempre enlameados, remaram a favor da corrente, chegando a deuses do reino da sua própria «ambição».
Os mais sensatos dizem-me que acabe com este tipo de jornalismo porque não endireito o mundo. Pelo contrário: serei ostracizado, perseguido, vítima da minha ingenuidade.
Talvez opte pelo silêncio. Mas nunca me juntarei a eles porque prefiro morrer de pé.
À falta de jornais onde possa exprimir as minhas mágoas contra este estado de vegetação, vou-me valendo de alguns blogues com os quais me identifico. Sempre em defesa dos valores supremos que preconizo e defenderei enquanto tiver alguma lucidez. Aos jornais que resistem, desejo longa vida.
Há uma década poucos sabiam o que era um blogue. Hoje haverá cerca de 250 mil. Um estudo internacional diz-nos que Portugal é um dos países onde mais gente escreve em blogues. E uma sondagem da Nielsen, diz-nos que mais de 20% dos cibernautas portugueses visitam diariamente blogues, facto que representa o dobro da média europeia. Essa mesma sondagem leva-nos a concluir que os países europeus com mais baixos índices de escrita e leitura de blogues são os escandinavos, enquanto aqueloutros países em que a blogosfera se mostra mais ativa são, além de Portugal, a Grécia e a Itália.
Possuir um blogue nos primeiros tempos para quem quisesse criar uma página na Internet tinha de conhecer bem a linguagem de programação «html» (Hyper Text Markup Language) e tinha de pagar o alojamento do seu site. Hoje qualquer pessoa mesmo pouco adestrada, com a informática, pode abrir e alimentar um blogue sem pagar, seja o que for.
No dia em que escrevo esta crónica recebo um mapa em permanente atualização da Biblioteca Municipal do Porto, através do qual se verifica que em 29 de Agosto deste ano estavam registados 36.063 títulos de periódicos, em Portugal, entre os quais 1. 109 jornais do Porto e 2.981 revistas. Já Lisboa, na mesma data, tinha 1997 jornais e 10 567 revistas. Braga tem no mesmo estudo: 523 jornais e 995 revistas. Vila Real conta com 188 jornais periódicos e 310 revistas.
Este mesmo mapa permite-nos saber que nos países lusófonos há, proporcionalmente, muito menos periódicos, trate-se de revistas, trate-se de jornais. Moçambique publica 82 jornais e 245 revistas; Angola edita 75 periódicos e 327 revistas; Brasil publica apenas 41 periódicos e 304 revistas. Em síntese: em língua portuguesa nos diferentes espaços da lusofonia, de acordo com este registo da Biblioteca Municipal do Porto estão registados 36063 títulos, sendo 9.087 em formato de jornal e 26976 em formato de revista. Parabéns Adriano da Silva!
Os blogues ainda não mereceram um estudo científico, como as publicações regulares ou periódicas. Mas envolve muitas mais tribunas, muito maior universo de cibernautas e uma maior liberdade de exercício porque se olha mais à quantidade da escrita do que à qualidade. Uns impuseram-se pelo pioneirismo outros pela fama dos seus criadores, outros ainda pela força dos seus mentores. O Insurgente, Abrupto, Corta-fitas. Estado Civil, Tempo caminhado, Farrapos da memória, Aquimetem, NetBila, Observador, Portugal, Minha terra, são alguns dos muitos milhares. Foi pena acabar com a maior parte da imprensa regional. Com o estrangulamento dessas tribunas medram os opinadores, políticos, técnicos, sindicalistas e outros equilibristas que se movem e removem, se culpam e desculpam, nas televisões, rádios e jornais diários. Assim se «matou» a liberdade de imprensa que era a menina mimada da democracia, em nome da qual tantas injustiças se propagam contra os indefesos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19


É melhor não confiar

por aquimetem, em 07.09.16

57cf264f-c7bc-4d01-9db9-5b155e7eaa97.png

De noticia que li hoje no Diário de Leiria, mereceu-me esta modesta, mas muito convicta, opinião, se tiverem outra acho muito bem:

De mal a pior, no que toca a assistência medica neste país, e com um governo a prometer o que não dá, como tira. A Bajouca é uma das autarquias do concelho de Leiria que se distinguiu na aquisição de serviços sociais para os seus habitantes, como Centro Social e Posto Médico, além de muitos outros de carácter cultural e desportivo onde os valores humanos são realçados. Sem contar surge a determinação superior a ordenar que o Posto Medico encerrasse pois não há funcionário para manter a porta aberta. Quem precisar dos serviços que vá bater a outra porta, neste caso a Monte Redondo. Assim vai a saúde à socialista, neste país das bananas. Para já a promessa é de “encerrado temporariamente”, oxalá seja verdade, mas nas promessas desta gente é melhor não confiar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40


A D. Alzira Borges deixou-nos

por aquimetem, em 01.09.16

IMG_6860.JPG

Mondim, 25/11/ 1924 - Mondim, 31/08/2016
Faleceu hoje a saudosa mondinense D. Maria Alzira Teixeira Borges, de 91 ano, era viúva de José Teixeira de Matos e mãe da dinâmica Maria da Graça Borges de Matos, promotora e divulgadora dos transmontanos afectos aos meios culturais , mormente aos que têm as musas por atractivo . Figura muito estimada e respeitada, a D. Alzira depois de viver durante muitos anos na região de Lisboa, após enviuvar;  quis por fim passar o resto da sua existência terrena onde nasceu e quis morrer. Há cerca de um ano tornou-se hospeda do Lar da Misericórdia de Mondim de Basto, onde muito bem cuidada e acompanhada por familiares e amigos viveu feliz até que Deus a chamou para junto de si. O seu funeral realiza-se na próxima 6ª-ferira para o cemitério de M. de Basto, com missa de corpo presente. Aos seus 4 filhos e 2 filhas, em especial à Maria da Graça, os meus sentidos pêsames.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15


Água para refrescar....

por aquimetem, em 28.08.16

IMG_6841.JPG
Este domingo, a meio da tarde, tive uma surpresa à entrada da porta, melhor dito, à saída, pois foi quando me preparava para ir à rua que dei com um daqueles repuxos provocados por um arrebentamento da conduta de água da EPAL que serve os prédios da zona, e me fez suspender o que tinha programado fazer.

IMG_6835 (2).JPG
Foi mais de ¾ de hora a ver correr o precioso liquido até que aparecesse quem pusesse fim ao desperdício e desse inicio ao conserto dos danos que dali resultaram.

 Foi uma fartura de água que refrescou a rua e por certo danificou também as estruturas dos prédio onde arrebentou a conduta. Mas tudo bem é da EPAL

IMG_6846 (2).JPG

 A seu tempo chegou a equipa de trabalho, cortou a água e iniciou a reparação.

IMG_6847.JPG

 Á hora de juntar já havia água nas torneiras, esperamos que não volte a estragar um domingo, como foi este em que também o Sporting tramou o Dragão. Haja bom humor, e água para refrescar....

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:05

images.jpg1.jpg

Por: Barroso da Fonte
Um combatente que foi à guerra dos outros, mesmo que não tenha dado um tiro, nem saiba nadar, deve dizer que esteve lá, quando, com quem e para quê. Cabe esta missão ao repórter que esteve lá.Começo esta nota biobibliográfica sobre o Tenente General Alípio Tomé Pinto por onde devia acabar. Desde Maio tem sido este volume de 416 páginas o motivo que me prende à cama, antes de adormecer e depois de acordar. Exatamente porque é das obras que tenho na minha copiosa biblioteca daquelas que mais me reconcilia com os 3 anos e meio que prestei ao país que tão ingrato foi para com os burros de carga que foram os milicianos e filhos do verdadeiro povo. Na contracapa, ao cima da página, reproduziu este militar de carreira: «E lá fui eu para a guerra, um dos primeiros a chegar a ela, com a minha farda amarela e uma espingarda das antigas – uma Mauser». Nessa mesma página mostra-se uma paisagem rural com um aldeamento duriense. Legendado com esta lápide de Miguel Torga: «Trás-os-Montes: «Terra Quente e Terra Fria. Léguas e léguas de chão raivoso, contorcido, queimado por um sol de fogo ou por um frio de neve. Serras sobrepostas a serras. Montanhas paralelas a montanhas».
A biografia deste verdadeiro militar transmontano, veio reanimar-me em relação a centenas de outras, de camaradas seus que, em cerca de 40 anos, escreveram, editaram e difundiram, nuns casos como resposta pessoal, noutros casos por imperativo ideológico. Mas quase todas por necessidade de ocupar o tempo e de reivindicar para si, o mérito ou demérito que foi de todos.
Na p. 341 logo se descobre nas fotos de família e nas legendas que valem muito mais do que mil palavras, a desigualdade moral, profissional e cívica entre o General Tomé Pinto e outros que passavam pela Academia, como se passa pelo santuário de Fátima ou pelo Bairro Alto, numa excursão à capital. Com o eclodir da guerra do Ultramar, houve maior preocupação com a quantidade do que com a qualidade. A carreira das armas deixou de ser um deslumbramento de paradas festivas para ser uma preocupação pessoal, familiar ou social. A qualidade deu lugar à quantidade. Os cursos encurtaram, as promoções apressaram-se e os recrutamentos, nas escolas militares, como na sociedade civil, alargaram o campo de ação. Os treze anos de guerra mexeram com toda a sociedade civil. E, naturalmente, a pressa e a necessidade, geraram dificuldades para alguns, transtornos para outros e contratempos para muitos. Se houve «estragos» para os combatentes, os mais lesados foram os soldados em geral e para os milicianos. E também para muitos profissionais das armas que já haviam cumprido os seus deveres como oficiais subalternos e se encontravam na classe dos oficiais superiores, alguns a pensar na hierarquia de oficiais generais, outros em fase de aposentação nos postos a que haviam ganho direito.
Como, normalmente, acontece nem foram os soldados, nem os milicianos, nem sequer os militares mais antigos a reivindicar. Foram aqueles que haviam escolhido a carreira das armas e que viam perigar essa carreira que violaram o juramento e se revoltaram contra os milicianos que apenas serviram para burros de carga daqueles que os traíram.
Nos 40 anos que decorreram cada «capitão de Abril» já escreveu a sua história, raramente contando os factos, mas reivindicando sempre para si, os louros da revolução. É óbvio que alguma coisa teria de fazer-se no sentido de alterar o método de resistência. Mas nunca por nunca deveriam ter sido os milicianos os bodes expiatórios, já que eles foram os mais prejudicados, antes, durante e depois. Infelizmente nunca se deu voz às maiores vítimas do golpe militar: os milicianos.
Em maio deste ano chegou ao mercado um dos livros mais coerente, mais objetivo e mais recomendável acerca da guerra do Ultramar. Logo a seguir ao 25 de Abril começou o mercado livreiro a privilegiar os escaparates, com versões pessoais de heróis à pressa. O poder político, por um lado e esses testemunhos subjetivos, por outro, injetaram nas gerações mais novas a ideia de que tudo havia corrido mal e que uma geração iluminada, havia retirado do fundo do mar o País que somos. Há por aí resmas de papel editadas por gente que quis ficar na História e que interrompeu carreiras limpas, heroicas e exemplares.
As 416 páginas deste livro do Tenente General Tomé Pinto vêm repor alguma clarividência, rigor histórico e prudência ética na opinião pública. O editor Pedro Sousa afirmou na nota que assina (pp 12-23) que: O general Tomé Pinto é um dos mais prestigiados militares portugueses da sua geração. Promovido a esse posto aos 45 anos por razões de mérito, foi duas vezes ferido com gravidade em cenário de combate, primeiro em Angola e mais tarde na Guiné». E outro distinto general – Ramalho Eanes - afirma no prefácio que «contar a história de vida de Tomé Pinto é respeitar a autêntica tradição, a memória coletiva».
Ao lado de Salgueiro Maia, de Pires Veloso, de Santos e Castro e de Jaime Neves, Tomé Pinto deve perfilar-se como um dos militares mais distintos da sua geração.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40


O Verão mais quente desde 1975

por aquimetem, em 12.08.16

barroso_da_fonte.jpg

 Por Barroso da Fonte

Desde 1975 não houve verão mais arreliador. Politicamente não deixa saudades. Foi a esquerda que ligou as ventoinhas. Mas as ameaças de incêndio ficaram na retina daqueles que se envolveram nas Andanças de Castelo de Vide e que assistiram, desesperadamente, à destruição de 422 viaturas, mais os pertences dos seus ocupantes. Afinal foi terá sido um cigarro mal apagado...

Quem desequilibra as temperaturas não é o povo. Mas é ele que apaga todos os fogos, com a sua paciência, tolerância, resignação e às vezes com a própria vida.

Num só dia (7 de Agosto) ocorreram 455 fogos. E o Secretário de Estado dessa área veio dizer que está provado terem esses crimes início, entre as 8 h da noite e as 8 h da manhã. Esta afirmação, tão clara e tão evidente, deveria ser correspondida com medidas drásticas: em vez de ter o policiamento nas cidades, nas festas, à porta das discotecas, nas inaugurações, a vigiar comícios, residências de ex-políticos e jantaradas privadas com foguetes de artifício, poderiam fazer noites de vigilância nos montes, uma vez que dos pontos mais altos, seria muito mais fácil identificar os malfeitores. Um estudo prévio às zonas a vigiar, mal a labareda fosse localizada, graças à facilidade que hoje há, com os telemóveis e GPS, seria caça certa. Assim o poder político entenda acabar com a segunda guerra mais mortífera, mais cara e mais dramática em Portugal. Quem viu e ouviu as reportagens televisivas, com o país a arder desde Trás-os-Montes à Madeira, nos dias 7 e 8 do corrente, vendo  a fragilidade dos meios aéreos e os gritos de desespero das populações, irrita-se contra o ministro do ambiente que se limitou a dizer que «apesar dos 455 fogos de Domingo e os quase tantos no dia seguinte, a área ardida é inferior à dos anos anteriores». É deplorável, é ridículo e é provocante. O Secretário de Estado garantiu que «a maior parte dos incêndios é fogo posto, entre as 8 da noite e as 8 da manhã». O ministro deveria preocupar-se com esse elemento conhecido: «a mão humana». Com desculpa esfarrapada o Ministro Matos Fernandes, preferiu desviar a água do capote, como se a gravidade dos incêndios se possa media pela área ardida...Valha-nos Deus, Sr. Ministro...

Quando se conhecem as origens dos crimes públicos, o tipo de criminosos, as horas e os métodos e não se tomam medidas, dispondo de todos os meios, incluindo políticos, é ser conivente com essa trágica realidade. Se António Costa que nesses dias ser mostrou no Algarve em calções de banho, fosse mais coerente com a responsabilidade política que a todo o custo assumiu, tinha interrompido as férias, mais cedo, para coordenar as operações. Mas cada país tem os políticos que merece.

A saga dos incêndios nasceu com a liberdade de fazer tudo o que é mau para a sociedade, mas é bom para alguns que sempre viveram da chulice, da fraude, da anarquia e da brandura das leis.

Todos os anos, tememos o verão, por causa dos incêndios. Se está provado que existe uma epidemia social e política que aterroriza, aqui, ali e acolá, de noite e de dia, no campo e na cidade que se vale da escuridão, da morosidade da justiça, das amnistias e do faz de conta. 41 anos depois desta saga, já deveriam os políticos ter aprendido com os erros de cada ano que passa. As vidas que se perdem, os martírios que as populações sofrem, os prejuízos que se causam a quem vive da terra, mais os encargos com as máquinas, aéreas e terrestres, com os animais que o fogo queima, merecem alterações profundas. A vigilância das florestas e dos locais que possam servir de esconderijo dos criminosos devem estudar-se, mediante formação atempada e com critérios seletivos, com base no caráter e espírito cívico. O recrutamento deveria ser feito entre desempregados que tenham garantia de trabalho sazonal. E nunca deverá prescindir-se do apoio dos militares e militarizados porque se trata de um serviço cívico de que não podem alhear-se.

Sabendo-se que este é o flagelo social mais revoltante, mais terrífico e mais prejudicial à vida nacional, qual a razão por que não preparar o exército, a marinha e a força aérea, mais as diversas polícias, para, em conjugação com os Bombeiros, prestarem ao País e aos seus habitantes, a tranquilidade a que têm direito? A ministra da Administração Interna – e muito bem - «descobriu» uma série deles, nas messes, bares e «impedidos» e «gratificados». Acabem com esse luxo!

Este drama é tão grave nos dias de hoje, como foi nas décadas de sessenta e setenta, a guerra do Ultramar. Façam bem as contas e digam aos políticos que tenham a coragem de olhar mais para a realidade social do que para as guerrinhas de alecrim e manjerona. Que em vez de escandalizarem   com boleias duvidosas para irem ver jogos de futebol ou outras diversões censuráveis, discutam. Decidam e tranquilizem os cidadãos.

Nunca percebi que ocupações são essas de milhares de jovens dos dois sexos que nos três ramos das forças armadas somam anos e anos, sem que o país conheça os benefícios que produzem. Não havendo guerras a enfrentar, o país continua a pagar a oficiais e sargentos do quadro permanente. Continuamos a ter, às dúzias, generais, coronéis, majores, capitães, tenentes, alferes e sargentos de vários graus, como se ainda houvesse guerras no solo português.

Sabe-se que, de longe a longe, vão alguns desses militares cumprir missões internacionais. Mas que fazem os outros em tantos quartéis que nada produzem de útil à sociedade?

De longe a longe há paradas militares, guardas de honra. Chegam bem equipados, com fardas bonitas, galões dourados e estrelas brilhantes, ornando as peitaças. Executam, ao toque de instrumentos apropriados, continências, gestos e frases de guerra. Não significa que percam esse estatuto. Mas o país sente-se mais solidário, mais coerente e mais justo.

                                                                                                                        

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21


Da terra venho

por aquimetem, em 09.08.16

barroso_da_fonte.jpg

De “Poesia, amoras & presunto”, obra de Barroso da Fonte, galardoada com o Prémio Nacional de Poesia Fernão de Magalhães Gonçalves, transcrevo um dos poemas que muito me sensibilizou por corresponder à visão que tenho formatada desta viagem que sem fim determinado o Criador nos concedeu. Mediante estes versos eis-me nas minhas origens territoriais e sociais da década de 30, muito diferente do tempo actual, mas que nem por isso deixamos de ter saudades.


DA TERRA VENHO


Da terra venho
P´ra terra vou
E orgulho tenho
Do que sou


Nasci da fome
Com fome existo
Mas do nome
Não desisto


Venho da vida
Vou para a morte
- toda a ferida
É passaporte


O homem passa
E se renova
A erguer na praça
A sua cova


E eu tenho andado
A vida inteira
Ligado ao fado
A minha caveira.


                       Montalegre , 1972.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:10


A propósito de um parqueamento

por aquimetem, em 08.08.16

nsdascandeias 003.JPG

 A propósito de um parqueamento na Estrada do Poço do Chão, junto à Quinta do Bom Nome. Antes do casamento do PS com o PCP, a Junta de Freguesia de Carnide distinguiu-se como autarquia independente, autónoma e apostada no bem servir os visitantes que visitam este sedutor bairro da preferia alfacinha, onde impera o Colombo, a Casa do Artista, o Teatro Armando Cortez, e o Santuário da Luz atrai centenas de devotos. A IMEL que tem por função caçar dinheiro aos cidadãos, por vezes descaradamente, tinha em Carnide um espaço que sob responsabilidade da Junta não podia actuar, e dava muito jeito a quem por pouco tempo vinha visitar familiares ou amigos. Além disso servia quem estuda numa Universidade aqui ao lado que todos nós sabemos dá jeito a quem ali estuda e muitas vezes o dinheiro escasseia para pagar o estacionamento diário. Não contava com esta, que quanto a mim é fruto do casamento PCP com o PS. Caso assim não fosse a Junta de Freguesia de Carnide continuaria a ser defensora dos seus ideais e do bem servir os seus concidadãos.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:05


Estou sem net

por aquimetem, em 05.08.16

WIN_20160803_11_22_59_Pro.jpg

 Dei comigo sem net, desde que cheguei a Lisboa. Não se admirem do meu silencio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:57


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D